FACETAS!
Somos únicos.
Somos múltiplos.

By Moacir Rauber
Skip to main content

Respostas ou perguntas?

“Hoje, em nosso primeiro vídeo gratuito vou te ensinar como modificar a sua vida. Vou te ensinar como alcançar o sucesso que você tanto quer…” e com essa abordagem a mensagem segue propondo o milagre da vida perfeita e feliz a que todos nós aspiramos.

Recebi o e-mail de um profissional da área comportamental que parece ter todas as respostas para os problemas alheios. A mensagem me fez sentir como um perfeito idiota ao não saber viver e conviver com os meus problemas existenciais. A abordagem simplista dada pelo milagroso resolvedor de problemas alheios me fez parecer um total incompetente para a vida. Entendo que os meus problemas podem ser simples, mas são tão complexos como são os problemas de todos os seres humanos. A abordagem simplista proposta pelo profissional que me enviou a mensagem certamente deixará os problemas complicados. Na sua mensagem o resolvedor de problemas alheios continua explicando como ele vai ensinar a que cada um seja um sucesso imediato. Agora eu pergunto: como ele pode me dar as respostas se ele sequer sabe quais são as minhas perguntas?

Nunca se produziu tanta informação como no momento atual e ela está por todos os lados. Com relação ao conhecimento pode ser um pouco diferente. O conhecimento coletivo é enorme, mas o conhecimento individual pode estar diminuindo. A humanidade tem muito conhecimento que hoje está fora do indivíduo. Assim, aquele que quiser aumentar o seu conhecimento precisa saber garimpar para encontrar e desenvolver o conhecimento no meio de tantas informações. Por isso, em minha opinião, nada substitui o processo de observação e de reflexão para se construir um conhecimento sólido com benefícios para quem o detém e para aqueles a sua volta. Para que o processo de construção do conhecimento seja eficiente é preciso que aquele que quer construí-lo tenha a curiosidade de aprender. Para isso as perguntas são essenciais e as respostas serão uma consequência. Entretanto, hoje mais do que nunca, as pessoas tem oferecido as respostas, inclusive profissionais que trabalham com a suposta construção do conhecimento como aquele que me enviou o e-mail oferecendo todas as respostas sem saber quais são as minhas perguntas.

Desse modo, antes de se oferecer para me ensinar a pessoa deveria estar disponível para aprender e também investigar se eu quero aprender. Quando descobrir se eu quero aprender deveria se preocupar em descobrir para que eu quero aprender. Assim, se eu quero aprender para alcançar o sucesso, a pergunta deveria ser o que significa sucesso para mim e não a garantia de que pode me oferecer o sucesso como resposta. Por tudo isso, particularmente não tenho simpatia pelas respostas e sim pelas perguntas, porque são elas que vão me permitir construir a minha resposta. E a construção da minha resposta é que é, para mim, o verdadeiro sucesso.

Quais são as suas perguntas? As respostas serão consequências.

Participe do workshop de autoconhecimento para construir as suas perguntas e depois buscar as respostas!

Moacir Rauber

Moacir Rauber acredita que tem "MUITAS RAZÕES PARA VIVER BEM!" porque "MELANCOLIA NÃO DÁ IBOPE". Também considera que a "DISCIPLINA É A LIBERDADE" que lhe permite fazer escolhas conscientes, levando-o a viver de forma a "QUE POSSA COMPARTILHAR TUDO COM OS PAIS E QUE TENHA ORGULHO DE CONTAR PARA OS FILHOS".

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *