FACETAS!
Somos únicos.
Somos múltiplos.

By Moacir Rauber
Skip to main content

Oportunidades e sonhos, o preço e o valor

Moacir Jorge Rauber
Preço e valor sempre são tratados sob a ótica da empresa, com seu produto ou serviço, e do cliente. Entenda-se, assim, como preço sendo aquilo que você paga por algo e valor aquilo que, no seu entendimento, você leva. As oportunidades que te levam a realizar um sonho podem ser analisadas sob a mesma perspectiva. O preço das oportunidades pode ser medido em dinheiro, em tempo, em dedicação, em esforço, em trabalho, enfim, indicadores palpáveis que o permitem dimensioná-las. Depois disto parte-se para o entendimento do valor que o aproveitamento das oportunidades representam para você. Ou seja, se os benefícios trazidos, como sentimentais, afetivos, emocionais, financeiros, de status ou outros forem maiores do que o preço, normalmente, as pessoas estão dispostas a pagar o preço cobrado.
O preço de buscar o conhecimento, o preço de desenvolver as habilidades e o preço de exibir as atitudes que os transformem em competência prática estão diretamente ligados ao valor que a realização do sonho tem para o sonhador. Obter os conhecimentos em determinada área permite a criação de uma empresa, ou que se exerça uma profissão, ou ainda que o remador reme o seu barco. Desenvolver as habilidades provenientes do conhecimento faz com que empresa sobreviva, que o profissional se mantenha no cargo e que o remador conduza seu barco. Entretanto, apenas as atitudes fazem com que o empresário seja bem-sucedido, com que o profissional conquiste seu espaço no mercado de trabalho e com que o remador alcance um lugar no pódio. E as atitudes serão tão mais determinadas quanto maior for o valor das oportunidades rumo a realização do sonho em comparação com o preço que se paga por elas. E este valor é determinado por você que sabe o quanto vale o seu sonho. Olhe mais uma vez e veja o quanto você está disposto a pagar pelas oportunidades que o levam até o seu sonho.

A Bela e o Paparazzo

Mas os pinguins ficam até sábado…
Excelente a comédia romântica portuguesa A Bela e o Paparazzo!!! Um filme despretensioso, porém com profundidade para gosta de ler nas entrelinhas.
O filme apresenta de forma cómica o grande amor dos portugueses para com Portugal, disfarçado em desamor. É comum ouvir em Portugal, nosso país é atrasado, os políticos são corruptos, entre outras tantas reclamações contra tudo e contra todos. No filme um dos personagens expressa esses sentimentos em suas falas e também na iniciativa que toma de proclamar a independência de seu prédio de Portugal. No final reincorpora-se a demonstrando todo o patriotismo dos portugueses que pode ser encontrado em palavras de sentido oposto. Nas relações do dia-a-dia também se nota muito disso. Nem sempre quando alguém está reclamando o faz de verdade.
O casal protagonista descreve um improvável romance entre um paparazzo e uma atriz de destaque. A trama se desenvolve espelhando a nossa superficialidade ao procurar nas fofocas das vidas das estrelas luzes para a nossa insignificância. O filme termina dando-nos a impressão de que alguém melhorou como pessoa, contudo, sai-se com a certeza de que nada mudará.
Em meio a todas as situações há uma expressão que se repete, Não se preocupe, os pinguins ficarão até sábado. No final o personagem que usa o bordão explica o sentido para o protagonista, contando que quando era garoto pinguins foram trazidos a Lisboa e ele gostaria muito de vê-los. Todo o dia ele pedia para que seu pai o levasse para vê-los, obtendo sempre a mesma resposata, Não se preocupe, os pinguins ficarão até sábado! Antes de chegar o sábado, porém, o pai abandonou a família. Não protele aquilo que deseja fazer.

Assim, caso queira ver um filme agradável não espere até sábado, pois os pinguins podem não estar mais lá. Além disso, consegue-se rir “a brava”!

Mensagens pela internet…

Fico feliz ao receber diariamente e-mails, alguns deles tratam de temas interessantes e outros nos deixam mensagens maravilhosas. Outros tão somente são piadas ou pornografia. O que me deixa fulo são aqueles e-mails que se propõem a deixar uma mensagem, mas no final, invariavelmente, são apelativos, por vezes, ridiculamente, invocam um castigo ou rogam uma praga sobre quem não os reenviar.

Obrigar, castigar e prender por meio de correntes só pode ser reflexo de mentes dominadoras. E em todo lugar onde elas estiverem presentes não pode ser bom.

Você é estratégico ou apenas mais barato?

Moacir Jorge Rauber
Havia um reconhecido empresário brasileiro da década de 1950 que dizia, “Para que uma pessoa trabalhe para mim há que atender um requisito, que conheça mais do que eu sobre aquilo para o qual foi contratado!”. Parece uma condição simples, considerando-se que todos nós somos únicos, o que, supostamente, nos garantiria um diferencial natural em relação a qualquer outro ser humano. Entretanto a nossa unicidade não se manifesta sempre expondo um diferencial atrativo para a organização na qual estamos. Eis aí o grande desafio.
Assim, tornar a nossa característica de ser únicos relevantes para a organização passa a ser importante para aqueles que pretendem se destacar neste cenário. Relembrando a nossa unicidade pode-se afirmar que em nenhum momento eu estou competindo em igualdade de condições com alguém, porque não somos iguais. A diferença pode ser física, em que o biótipo de um favorece mais do que o de outro para exercer determinada atividade; pode ser genética, em que alguns fatores se sobressaem gerando uma vantagem competitiva em relação ao outro; pode ser experiencial, em que os conhecimentos adquiridos anteriormente promovem um ganho; enfim, pode ser nos diferentes níveis de inteligência de que dispomos, ajustando-se melhor a um ou outro tipo de função. Na verdade nós sequer competimos com alguém de dentro da nossa organização ou da nossa equipe, assim como não competimos com ninguém de fora. A nossa competição é conosco mesmo, procurando dar significância ao que temos de melhor. E uma vez que esse nosso melhor seja importante para a organização na qual estamos inseridos alcançaremos êxito. Conhecer estas diferenças e delas tomar partido, transformando-se em um elemento estratégico para a nossa organização é a nossa alternativa. Pode-se fazê-lo desenvolvendo e aprimorando nossa competência básica diferencial, elevando-a a um nível superior, assim como acrescer novas competências em domínios menos comuns, ampliando o nosso leque de relevância.
Isto se aplica em qualquer atividade, seja na esfera pessoal ou profissional. Nos esportes o remo é um exemplo, pois divide-se em fases distintas, entre a pegada, a puxada, a finalização da remada e a recuperação. Este conjunto de fases, sendo realizado de forma harmônica, é que fará com que o remador e a sua equipe alcancem a vitória. Assim, uma remada básica requer a aplicação de técnica e de força que se repetem ao longo do percurso da prova, fazendo com que cada músculo trabalhe e seja importante para o resultado final. A pegada é o movimento com a musculatura ainda relaxada, em que o tronco se flexiona em busca do melhor ângulo para a execução da puxada. Envolve-se neste movimento todo um conjunto de técnicas para favorecer o movimento seguinte que é a puxada. Sabe-se que este é o movimento que impulsiona o barco em direção a linha de chegada, mas a puxada também é subdividida em diferentes fases. A potência das pernas é de suma importância, representando aproximadamente 65% da força que impulsiona o barco. O movimento do corpo faz com que o carrinho deslize corretamente dando um adequado aproveitamento de todo o conjunto. E o movimento de braços e troncos completa a puxada, em que os músculos da parte superior do corpo se contraem para finalizá-la. Depois vem a finalização da remada, em que se procura extrair o máximo de eficiência do movimento, com a extensão completa dos músculos em consonância com a tração na água. Por fim, a última parte de uma remada é a recuperação, em que os braços são empurrados para longe do corpo em direção a pegada. Reinicia-se todo o ciclo rumo a linha de chegada.
Pode-se extrair de uma remada uma série de comparações com o nosso dia-a-dia organizacional, porque em nenhum momento há competição entre os músculos de um mesmo indivíduo. Há cooperação, assim como deve ser numa organização. Apesar de saber que a puxada é que impulsiona o barco, sendo assim a parte mais visível do sucesso do movimento, ela não diminui ou anula a importância das outras fases, porque todas estão intrinsecamente ligadas. Caso a pegada não seja adequada, a puxada falhará. Caso a finalização não seja realizada a contento, compromete-se a recuperação, que prejudica a pegada e, consequentemente a puxada. Cada fase é distinta, cada movimento é único e cada músculo movimentado é importante, mas tudo deve acontecer de forma integrada e em cooperação. Da mesma forma como nós devemos ser importantes numa organização pelo trabalho em si, mas principalmente pela cooperação com os demais. E neste ponto vem o entendimento de que a remada também está inserida em algo maior, que é a regata. E esta, por sua vez, é o objetivo do atleta, do técnico e do clube ou do país. É o objetivo de uma equipe, que deve ser internalizado por cada um dos seus componentes, assim como na vida organizacional. Porém, cabe a nós sabermos ser distintos, únicos e importantes em nossas organizações, contribuindo para desenvolver o movimento adequado na sua totalidade. Isto requer esforço e dedicação para conciliar os objetivos organizacionais e individuais. Entretanto, muitos remadores adquirem hábitos perniciosos e não executam o movimento na íntegra, normalmente atendendo a lei do menor esforço, comprometendo o resultado do trabalho de uma equipe. Isto também está presente na realidade organizacional, em que muitos colaboradores não conseguem ver o movimento como parte de um todo, comprometendo o resultado e diminuindo a sua própria relevância.
Por outro lado, cabe à organização identificar e valorizar os seus “músculos”, sob pena de ignorar conhecimentos e habilidades que comprometerão o seu desempenho. Logo, a organização deve estimular e manter as condições para que cada integrante da equipe desenvolva todo o seu potencial. Quando a organização opta por contratar pessoas que conhecem muito sobre determinado ofício, como no exemplo do empresário citado, deve também possibilitar que este colaborador continue aprimorando suas competências. Isto beneficia o indivíduo e a organização.
Deste modo, com um indivíduo disposto a desenvolver-se e uma organização que fomenta esta postura todos estarão mais próximos dos seus objetivos, sejam individuais ou organizacionais. Caso não seja assim, nós só estaremos na organização porque somos mais baratos e não porque somos estratégicos, enquanto a organização manterá um quadro de “músculos viciados” e não eficientes. E tudo isto define-se pelas atitudes.

Oportunidades, as atitudes nos permitem aproveitá-las!

Falando em Portugal sobre oportunidades!

Em função dos colegas do Mestrado em Gestão de Recursos Humanos, especificamente a Sandra, pude interagir com empresários e formadores de Portugal por meio de uma palestra com o título Desafios e oportunidades: Atitudes geram resultados. A abordagem é eminentemente motivacional, com uma apresentação que procura identificar oportunidades em diferentes situações, sejam elas positivas ou, aparentemente, negativas. No início faz-se uma comparação entre as oportunidades que as pessoas tinham no ano 1000 da era cristã com as da nossa geração, levando-os a entender que o nosso momento é muito melhor. Pode-se ter problemas, mas isto não anula o fato de termos oportunidades.

Em dado momento faço uma relação com a minha condição de cadeirante. Destaco que isso nunca foi um fator limitador, muito pelo contrário, deu-me várias oportunidades, como estudar, viajar e trabalhar com muitas pessoas em diferentes situações. Deu-me a oportunidade especial de ser um atleta de alto rendimento aos 40 anos de idade, espaço conquistado com dedicação a um esporte onde a sorte não tem influência. Pelos resultados alcançados pude participar dos Campeonatos Mundiais em 2004, 2006 e 2007.

Neste ponto ressalto que oportunidades existem em todos os lugares e para todos. Você quer ser um bom empresário? Você pretende ser um bom profissional em qualquer área? A partir daí trabalha-se o que e como fazer para ver e aproveitar as oportunidades .

Apesar de considerar o fator positivo que exercem, teço uma crítica aos livros de auto-ajuda, notadamente aqueles que estimulam demasiadamente a ideia do pensamento positivo, dando-nos a impressão que isso basta, sem destacar a importância de se fazer as coisas efetivamente. Estimulam a sonhar alto, esquecendo-se de que para alcançar tais sonhos devemos ser capazes de executar atividades aparentemente insignificantes. Procuro lembrá-los que a vida não se compõe somente de sonhos, porque senão fica como aquele namorado romântico do post abaixo.

Destaco a importância de sonhar com a lua, mas friso que é muito mais importante cruzar a rua.

E isto acontecer aqui em Portugal tem sido uma Grande Oportunidade!!!

Sonhe com a lua…

Muito se fala em sonhar alto. Mas lembre-se de não só sonhar, porque senão fica como aquele namorado romântico que chega a casa de sua amada e declama: “Eu a amo tanto, que por você eu faria tudo. Subiria aos céus e roubaria as estrelas. Para vê-la sorrir trar-lhe-ia a lua…” e blá, blá, blá. Ao que ela lhe responde: “Mas por que você não apareceu para jantar ontem à noite como havíamos combinado?”, “Caramba, mas choveu muito! A rua estava toda encharcada”.

Por isso, de pouco serve pensar em grandes realizações se não se é capaz de fazer as pequenas coisas.

Sonhe com a lua, mas não se esqueça de cruzar a rua…

Decorre o ano 1000…

Moacir Jorge Rauber
Decorre o ano 1000 da era cristã. Após constatar que o mundo não acabou, como muitas previsões indicavam, um grupo de notáveis reúnem-se para debater o futuro da humanidade. Neste grupo juntam-se os principais pensadores de toda Europa, assim como de países do Médio Oriente e também da Ásia. A América e a Oceania ainda não faziam parte do mapa. Estão reunidos numa sala com pouca luminosidade, afinal não havia energia elétrica. A sala também se apresenta fria e úmida, pois os sistemas de calefação central a carvão também não funcionavam. O debate seguia acalorado para avaliar quais as perspectivas para os próximos cinco anos. Quais as principais oportunidades para os investigadores, para os jovens, para as empresas e para os países. Logo em seguida amplia-se o leque para dez anos. Depois fazem-se as projeções para as principais mudanças que poderão ocorrer em cinquenta anos. Por fim, num rasgo de pretensão despropositada, propõem-se a vislumbrar o que se poderia esperar para a humanidade nos próximos quinhentos anos.
Os boatos que corriam a época eram semelhantes aos que povoaram o imaginário popular por volta do ano 2000. Os anunciadores do fim do mundo e as previsões apocalípticas se mostraram um engano, para não dizer um engodo. Voltando ao hipotético encontro do ano 1000, provavelmente os espertos constatariam que em cinco anos nada mudaria. Nos dez anos seguintes também não. Aquele que nasceu carpinteiro, vai morrer carpinteiro. Quem nasceu rei, vai morrer rei. As mesmas previsões seriam feitas para os próximos cinquenta anos que também se aplicariam ao horizonte dos quinhentos anos. Apesar de grandes inventos e descobertas ocorridos nesta época, muitos com influência direta na organização social e económica atual, para a maioria dos habitantes da época nada mudou neste cenário hipotético de 500 anos. As oportunidades eram quase que nulas.
Entretanto, há que se considerar que esta reunião provavelmente nunca ocorreu nem entre os notáveis e muito menos entre a população. Isto porque sequer passaria pelas cabeças dos pensadores ou da grande massa da época que o mundo pudesse mudar radicalmente em poucos anos. Isto a história confirmou. Nos dias correntes, ao contrário, reúnem-se todos os dias em alguma parte do globo vários grupos de pessoas, entre eles notáveis e os menos notáveis, para discutir as inevitáveis mudanças que ocorrerão nos próximos anos. Pode-se estar seguro que para os próximos cinco anos enfrentar-se-á uma série de mudanças, sejam elas ligadas a esfera social, económica ou tecnológica. Comportamentos se alteram rapidamente em diferentes estratos sociais. A economia empurra o desenvolvimento e o surgimento de novas tecnologias numa velocidade nunca vista, impactando diretamente o comportamento de grande parcela da população. Na maioria dos casos beneficiando rapidamente uma pequena parcela desta, mas que em um tempo relativamente curto se estende a um número cada vez maior de pessoas. Apesar dos imensos problemas sociais ainda existentes, que são decorrentes de uma construção histórica de milhares de anos, as pessoas tem alcançado melhorias significativas na qualidade de vida de que desfrutam, proporcionalmente e comparativamente aos períodos históricos anteriores. A expectativa de vida tem aumentado gradativamente em muitos países; a democracia, com suas falhas humanas, tem sido um instrumento do exercício da liberdade individual; e a distribuição de renda, gradativamente, tem chegado a mais e mais pessoas. Não se podem negar os problemas, certamente, porém pode-se destacar que as oportunidades que as pessoas dispõem hoje são muito maiores do que aquelas de que dispunham os habitantes do ano 1000.

As oportunidades estão aí. Basta olhar mais uma vez…

Em 2010, olhe mais uma vez…

Sempre que se cruza uma ponte, vê-se um rio, mas não se vê o mesmo rio. Sabe-se que muita água já passou por debaixo da ponte, mas nunca a mesma água. O mesmo acontece quando se olha para uma árvore, para uma rua, para uma pessoa ou para uma oportunidade. Nunca se vê a mesma árvore, nunca se vê a mesma rua, nunca se vê a mesma pessoa e nunca se vê a mesma oportunidade. Isto porque no instante em que se observa aquilo que se vê ele já não é o mesmo. A todo momento muita água passa por aquela ponte. A árvore absorve nova luz e é impactada por outros ventos. Na rua circulam outras pessoas e se abrem ou se fecham muitas janelas. As pessoas têm outros pensamentos e evoluem em diferentes direções. E as oportunidades, algumas são aproveitadas e outras absorvem luz, são impactadas pelos ventos, pelo abrir e fechar de janelas, pelas pessoas e por muitos pensamentos. Mas todos estão lá, reinventando-se. O rio, a árvore, a rua, as pessoas e as oportunidades.

Por isso, em 2010, olhe mais uma vez!

Moacir Jorge Rauber

Cada vez melhor…

Rodolfo e Arthur eram amigos desde a infância. Foram criados no mesmo bairro daquela cidade com mais de 2 milhões de habitantes. Desde criança estudaram juntos, sempre na mesma sala, na mesma turma e no mesmo horário. Quando terminaram o secundário a vida os enviou para caminhos diferentes. Rodolfo seguiu os estudos universitários, fez uma graduação em engenharia e mais tarde tornou-se empresário. Arthur parou de estudar, casou-se cedo e engajou-se na vida comunitária do bairro. Passado um tempo candidatou-se e foi eleito vereador. Os dois ainda continuavam grandes amigos, embora seus encontros fossem cada vez mais raros, porque cada um tinha a sua vida para gerir.
Rodolfo se preocupava com os seus clientes, com a qualidade dos serviços prestados, com o atendimento que deveria sempre ser impecável, porque uma ponta solta, uma situação mal resolvida com algum cliente poderia gerar grandes perdas no seu negócio. Assim, Rodolfo sempre apresentava-se bem vestido e com modos extremamente educados. Havia adotado também uma postura que demonstrava a visão positiva que tinha do mundo. Esta postura estava fundamentada em cursos, formação, nas necessidades do mercado e na alta concorrência que assim o exigia. Lembrava-se sempre, “Nada aproxima mais as pessoas do que um sorriso, do que o bom humor!”.
Por outro lado, Arthur vivia a sua roda viva de forma semelhante, embora com muito menos tempo dedicado aos estudos ou a uma formação específica. Mas para ele, “O melhor curso é a vida!” e ele acreditava que era o exemplo disto. Sem nenhum curso universitário havia formado e sustentado uma família. Seus três filhos já eram adultos e estavam na universidade. A esposa cuidava da casa e ainda fabricava doces, pães e outras guloseimas caseiras que eram vendidas de porta em porta no bairro. E ele trabalhava na associação comunitária, resolvendo problemas e atendendo as situações mais difíceis de um sem número de pessoas. Mas ele havia dedicado algum tempo para a sua formação. Logo após a primeira eleição em que concorreu para vereador e foi derrotado, aprendeu a cuidar da imagem frente ao público de interesse. Rapidamente incorporou na sua forma de ser frases positivas ao cumprimentar as pessoas, os seus “clientes”. Assim, quando lhe perguntavam como ele estava sempre respondia com presteza, “Cada vez melhor”, dava um firme aperto de mão e abria um sorriso. Sorriso este que servia para aproximar seus futuros eleitores. Com esta estratégia partiu para a segunda eleição e obteve uma vitória contundente.
Certa feita, Rodolfo estava entrando no prédio da associação comercial a qual pertencia e viu ao longe o seu amigo Arthur. Rodolfo circulava neste espaço semanalmente para resolver alguma pendência dos seus negócios, pois sua empresa funcionava a apenas alguns quarteirões dali, centro da cidade. Arthur, que ainda morava no bairro e estava participando das disputas de sua terceira eleição, parecia que estava um pouco deslocado ao olhar para as placas e letreiros, notadamente buscando alguma informação. Parecia também algo preocupado, com uma feição muito séria e até certo ponto triste. Rodolfo dirigiu-se a ele, que quando o viu, abriu um largo sorriso e veio ao seu encontro. Rodolfo disse:
– Bom dia, Arthur, que bom vê-lo! Quanto tempo? Como você está?
Arthur, como de hábito, respondeu com um sorriso no rosto:
– Cada vez melhor. E você?
Rodolfo continua:
– Também estou bem. Mas o que você está fazendo por aqui? Acho que nunca te encontrei por estes lados…
Rapidamente a expressão do rosto de Arthur se alterou, voltando aquela expressão de preocupação e tristeza anteriores. Como que caindo em si, sem saber como dizer, com a voz quase sumindo, comenta:
– Na verdade estou voltando do enterro da minha mãe, que faleceu ontem. Eu estou procurando o Cartório de Registro Civil que fica neste prédio e…
Parou de falar, porque seus olhos se encheram de lágrimas. Ele se havia dado conta que a vida nem sempre está “cada vez melhor”.
Moacir Jorge Rauber