FACETAS!
Somos únicos.
Somos múltiplos.

By Moacir Rauber
Skip to main content

A previsão do peru

Moacir Jorge Rauber
Ao ler o livro Cisne Negro, de Nassim Nicholas Taleb, encontram-se muitas ilustrações sobre a capacidade de previsão do homem, entre elas a história do peru, que retrata de forma fácil e didática como são feitas as previsões. Basicamente a capacidade e a forma de previsão do ser humano pode ser comparada a do peru, que se norteia pelo passado para seguir imaginando que está numa posição tranqüila e confortável. Deste modo, ele segue recebendo a comida todos os dias, crente que essa realidade vai se repetir pelo todo sempre, uma vez que não há nenhum indício no passado que o leve a pensar num futuro diferente. Da mesma forma os especialistas em diferentes áreas fazem suas previsões sem maiores conhecimentos sobre o entorno do que o peru. Simplesmente o ser humano não consegue abarcar todas as variáveis que influenciam o futuro, assim como o peru não consegue entender o homem que o alimenta. Quantas previsões de autoridades nas áreas sociais feitas em 1900 não se concretizaram? Quantas previsões feitas por grandes executivos sobre a tendência do mercado simplesmente tomaram um rumo completamente diferente? Quantas invenções previstas não aconteceram e a maioria nunca imaginada simplesmente surgiram? Por fim, as previsões dos economistas e especialistas em áreas financeiras? Basta reler as páginas de orientação dos últimos três meses dada pelos especialistas sobre a bolsa de valores para se perceber que as suas capacidades de previsão não são melhores do que a do peru. Baseando-se no milho que recebiam com seus ganhos na bolsa acreditavam que tudo seguiria sempre assim, sem nenhum atropelo. Chegou o “Natal” e os perus foram comidos.
Vale a pena ler o livro!!!

Conhecendo Bamberg – Alemanha

Na cidade de Bamberg também se percebe como a população se orgulha do seu comportamento. É uma cidade pequena, 70 mil habitantes, mas muito bem organizada com espaço para os veículos, para os ciclistas e muito espaço para os pedestres. Em ruas onde há trânsito de veículos, mas o espaço principal se destina aos pedestres os semáforos são respeitados, também pelos pedestres. Quando o sinal está vermelho para os pedestres, mesmo que não haja nenhum carro a vista, as pessoas ficam calmamente aguardando o sinal abrir. Quando se vê alguém cruzando a rua com o sinal vermelho pode se saber que é um turista.

Em Bamberg ainda não existem os Flanelinhas, mas duvido que demore muito para esse produto brasileiro chegar até lá.