Skip to main content


Facetas!


Somos Únicos.
Somos Múltiplos.
By Moacir Rauber

Velho demais…

A tão esperada evolução do departamento de pessoal para uma área de Gestão Estratégica de Recursos Humanos enfrenta desafios, muitas vezes, de postura daqueles que o conduzem. Deixar de ser simplesmente um processador de folha de pagamento e um cumpridor das rotinas legais que estão presentes na administração das pessoas de uma organização, muito mais do que uma visão organizacional, passa pela forma como as pessoas que na área trabalham encaram a sua missão. Numa das tirinhas de Dilbert, Gatoberto, o Diretor de Recursos Humanos está pensando em contratar uma pessoa. Ele descreve as exigências do cargo: “O candidato deve ter um QI de 300 e 200 anos de experiência!”. Finalmente aparece um candidato que preenche os pré-requisitos ao apresentar seu teste de QI e também a experiência exigida. O candidato afirma ter a experiência em função de ter inventado uma maneira de ser imortal. O Diretor de Recursos Humanos o analisa e solta a frase derradeira: “São muitas palavras para velho demais!”. Num globo a parte aparece o verdadeiro pensamento de Gatoberto: “90% do meu trabalho é convencer as pessoas de que elas não merecem o delas!”
 
A situação é caricata, mas não deixa de ser verdadeira em muitas organizações. Ainda são comuns gestores da área de recursos humanos usarem seu cargo muito mais para criar rotinas e exigências que respaldem sua presumida importância, do que para realmente contratar pessoas certas para os papéis adequados. Muitos destes gestores tratam de diminuir as pessoas para se sobressaírem pela autoridade, quando deveriam criar formas de elevá-las, destacando a sua real relevância organizacional. Estes gestores se preocupam em parecer importantes ao procurar convencer as pessoas que gerem de que estas não o fazem por merecer. Devem, entretanto, tomar cuidado porque organização sem pessoas não existe, mas organização sem área de gestão de recursos humanos não é tão incomum. Devem lembrar-se, sempre, de que quem pode estar “velho demais” não é a pessoa que se pretende contratar, mas a postura daquelas que organizam o órgão que o deveria fazer.
 
E como anda a gestão de recursos humanos da sua organização?
 
Está “velha demais” preocupando-se demasiadamente com o próprio papel ou tem dado ênfase ao papel das pessoas?

Há que tomar cuidado para que não esteja tão somente no organograma…

Moacir Rauber

Moacir Rauber acredita que tem "MUITAS RAZÕES PARA VIVER BEM!" porque "MELANCOLIA NÃO DÁ IBOPE". Também considera que a "DISCIPLINA É A LIBERDADE" que lhe permite fazer escolhas conscientes, levando-o a viver de forma a "QUE POSSA COMPARTILHAR TUDO COM OS PAIS E QUE TENHA ORGULHO DE CONTAR PARA OS FILHOS".

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *