Olhar mais uma vez não é retórica…

Cheguei no auditório com antecedência. Ainda faltavam 40 minutos para o início da programação. Era hallde entrada encontro os organizadores do evento. Cumprimentos e sorrisos. Entrei no auditório propriamente dito e vi o corredor que levava ao palco.

tempo o suficiente para preparar, testar os equipamentos e revisar mentalmente a apresentação com tranquilidade. No

Ah, meu Deus. Degraus mais uma vez! falei baixinho para a minha esposa que me acompanhava.
Mas não faz mal, vamos em frente… complementei.
Consolei-me ao ver que os degraus eram baixinhos e os espaços entre um e outro eram grandes. Facilmente eu poderia descer empinando a cadeira. Foi

o que fiz. Não perdi tempo e logo fui descendo. Mesmo assim aquele movimento sempre gera um desconforto, porque o impacto de descer um degrau atinge diretamente a coluna. Estava na metade daqueles 15 ou 16 degraus quando vejo a professora coordenadora vindo a toda em nossa direção:

Professor, professor, os corredores nas duas laterais do auditório são rampas… disse ela.
Eu parei, olhei meio atordoado e sem entender direito, até que me dei conta do mico que estava pagando. Ela se aproximou e confirmou que tiveram todo o cuidado para não organizar o evento num local inapropriado. Eu tive que rir. Ela também riu. Foi então que comentei:
É, bem assim que a gente pode complicar uma situação!
O título do livro que escrevi é Olhe mais uma vez! Em cada situação novas oportunidades em que falo justamente sobre isso: a necessidade de avaliarmos bem uma situação antes de começar a fazer. Imediatamente associei ao fato ocorrido no auditório. Lembrei-me que se eu tivesse parado no vão da porta e avaliado a situação com tranquilidade eu teria visto com mais clareza o ambiente em que estava entrando. Tivesse eu olhado mais uma vez para a direita e para a esquerda teria visto as rampas. Tivesse eu olhado com mais atenção em frente teria visto que na lateral havia outra rampa que dava acesso ao palco. E todos os acessos dentro daquilo que prevê a legislação. Nada de enjambração. Mas não, fui afoito. Entrei, olhei e julguei a partir dos meus pressupostos.

Por isso, olhar mais uma vez para todas as situações não é uma simples questão de retórica. É uma estratégia para nos poupar trabalho e nos oferecer inúmeras oportunidades.


Evento coordenado pelo Diretor-auxiliar Rosan Prado e a palestra: O IMPACTO DA MOTIVAÇÃO NOS RESULTADOS sob o comando de MOACIR JORGE RAUBER

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *