É o “canal…”

Chegamos na Pousada onde passaríamos os próximos cinco dias. Fomos recebidos com muita cordialidade, embora pudéssemos notar o ar um pouco assustado daquele jovenzinho que nos recebia. Não tinha nada a ver com o fato de eu ser usuário de cadeira de rodas, mas percebia-se a falta de familiaridade com a rotina do ambiente da própria pousada onde trabalhava. Logo percebemos que era novo na empresa. Apresentamos a nossa reserva feita com vários meses de antecedência pelo booking. Ele pegou o papel e começou a tentar localizar a reserva. A tela do computador no balcão também nos permitia ver as informações. Ele clicava num campo e noutro e nada de aparecer nossos nomes. Via-se que ele estava ficando mais nervoso. Olhou-nos meio de lado e disse:
– Não acho o nome de vocês, mas sem lugar para dormir ninguém vai ficar. Deu uma risadinha e complementou. A Pousada está quase vazia…
E continuava tentando localizar a nossa reserva. Eu disse:
– Tudo bem. Não tem problema. Nós só queríamos que nos fosse dado um quarto adaptado, de fácil acesso…
Ele rápida e orgulhosamente disse:
– Aqui no térreo todos os quartos são adaptados… E depois emendou: – Eu sou novo aqui. Não consigo encontrar a reserva. Vou ligar para o chefe…
Logo o ouvimos perguntando:
– Como eu localizo uma reserva feita pelo booking?
Obteve uma resposta e fez outra pergunta:
– O cliente é um cadeirante… e olhou-me como que pedindo confirmação se havia dito a palavra certa ao se referir a mim. – Será que você dizer qual apartamento é “o canal” pra ele?
Minha esposa e eu nos entreolhamos e rimos do uso daquela gíria. Notamos que a pessoa do outro lado não havia entendido a pergunta. O atendente a refez:
– Qual quarto é o melhorzinho para ele?

Melhorzinho… Pensei. Não sabemos o que o chefe disse do outro lado, mas nós rimos muito da inexperiência do atendente revelada no uso das palavras. As palavras também revelaram a falta de um treinamento adequado para o pessoal que mantém contato direto com o clientes. Para nós, estava tudo bem. Estávamos de férias mesmo. Era “o canal” estarmos ali. Para empresa, entretanto, “o canal” seria dedicar um tempo a mais de treinamento aos colaboradores antes de jogá-los na água para nadar. O canal pode ser turbulento e levar todos ao fundo…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *