Muito orgulho em ter um amigo assim!

Receber uma notícia dura, como a existência de  um tumor na região abdominal, pode ser fonte de abatimento, desequilíbrio e depressão. Um grande amigo meu recebeu esse diagnóstico. O nome proferido tem um estigma enorme. Gera-nos calafrios só de lembrar. A reação dele foi natural. Desânimo e revolta inicial… Veja mais:
Questionamentos mil ao querer entender Por que isso agora? Por que eu? Porém, vale destacar que as suas ações, logo após as primeira reações, foram e são admiráveis. Exemplo de pura superação.

Para a alegria de todos trata-se de um tumor localizado. Foi estirpado por uma cirurgia bem sucedida, mas requer um tratamento prolongado, penoso e invasivo: a quimioterapia. Da primeira, sessão realizada trinta dias após a cirurgia, resultaram efeitos colaterais atrozes, como os enjoos. Dois dias em que, segundo o seu relato, muitas vezes se tinha vontade de desistir. Vontade que deu e passou. No dia da segunda sessão eu estive em sua casa quando ele retornou do hospital. Normalmente as pessoas ficam internadas durante os dois dias em que o soro é ministrado. Não o meu amigo. Ele não quis ficar, afinal a vida segue. Trouxe pendurado em seu peito um pequeno frasco com o líquido que lhe seria injetado na veia nos próximos dias. Ao chegar na sua casa por volta das 16h, depois de ter saído às 6h da manhã, demonstrou toda a sua força. Cumprimentou-me com a alegria de sempre. Rapidamente me explicou o que estava acontecendo para em seguida entrarmos em assuntos da rotina de qualquer cidadão. Falamos de planos, projetos e ideias de melhorias para a vida das pessoas. Incrível como a sua preocupação sempre tem o foco naqueles que estão a sua volta. A conversa se estendeu até o momento em que tínhamos o nosso compromisso à noite. Fomos, cumprimos o nosso dever, jantamos e retornamos até a sua casa, onde ainda conversamos por mais uma hora antes de irmos dormir. Na manhã seguinte, quando eu levantei por volta das 8h, ele e sua esposa já haviam saído para cumprir com as suas rotinas de trabalho. Almoçamos juntos, despedimo-nos e retornei para a minha casa. Trouxe comigo a certeza da amizade, mas muito mais do que isso. Trouxe comigo a força daquilo que pode ser entendido como superação.

Naquela situação e frente à dureza de um tratamento quimioterápico, qualquer pessoa teria todos os motivos para se jogar na cama e dela tão cedo não sair. A maioria de nós, simples mortais, se entregaria ao abatimento e à revolta, reação normal pela notícia recebida. Mas o meu amigo não. Ele, mais do que nunca, dedicou todo o seu tempo e energia para continuar a sua batalha na luta pelos objetivos nos quais acredita. Ações ordinárias que na soma resultam num sujeito extraordinário. Isso é exemplo de Superação.

Muito orgulho em ter um amigo assim!

Para Neodi Antônio Brandão

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *