Você viu o gorila?


Incrível saber que mais ou menos a metade das pessoas não veem o gorila que aparece por quase dez segundos no vídeo abaixo. Isso não quer dizer que seja positivo ou negativo. Apenas indica que as pessoas são diferentes.

Por um lado, as pessoas que não viram o gorila se fixaram na tarefa que lhes foi sugerida, que era a de contar os passes entre os jogadores de branco. São pessoas eficientes, produtivas e focadas nos processos dos quais participam. Muitas vezes se desligam do que ocorre a sua volta. O índice de acertos das tarefas realizadas por essas pessoas é alto. Você conhece alguém assim?

Por outro lado, temos as pessoas que viram o gorila. São pessoas antenadas, criativas e, muitas vezes, inquietas que tem a tendência de participar em muitos projetos. Sempre ligadas no seu entorno, mas por vezes desligadas dos processos dos quais seriam responsáveis. Muitas delas viram o gorila, mas erraram a contagem. Você conhece pessoas assim?

Então veja o vídeo do gorila colorido…


Assista primeiro ao vídeo antes de continuar a leitura.

Temos que ficar com um olho no peixe e outro no gato, diz o ditado. É a mais pura verdade. Um olho no peixe, outro no gato e ainda observando o gorila. Mas e a cortina? Você viu a mudança de cores? O ambiente mudou e não nos demos conta. Você viu que um dos participantes de preto saiu no meio do jogo? Isso quer dizer ter uma visão sistêmica para acompanhar todos os movimentos previsíveis que acontecem, mas principalmente estar preparado para as mudanças não previsíveis, sabendo que elas são uma constante.

Prestamos atenção no gorila, uma mudança previsível para quem leu os comentários e o post anterior, mas não percebemos que o cenário já não era o mesmo. O livro O gorila invisível (http://www.theinvisiblegorilla.com/) trata da visão limitada de mundo que temos. As ilusões a que estamos expostos ao acreditar que vemos e percebemos o ambiente ao nosso redor como ele realmente é. Ocorre que é mais provável que nós vejamos o mundo como nós somos. Outro livro que tem um abordagem sobre o impacto do altamente improvável é A Lógica do Cisne Negro de Nicholas Nassim Taleb. São boas leituras para o final de ano!

Enfim, se a ideia é a de que mantenhamos um olho no peixe e outro no gato, também temos que saber: de onde veio o gato? De quem é o peixe? Gorilas comem peixe? Você poderia ser o gato? Ou o gorila? Ou você poderia ser o peixe? Cuidado! O comido pode ser você…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *