Não mate o burro…

O caipira tinha lá o seu burro que usava para fazer as tarefas do sítio, principalmente as mais pesadas. O burro nunca reclamava. Às vezes empacava, mas isso era o de menos. O que incomodava o caipira era que o burro comia, a seu ver, demais. Todo dia precisava de várias porções de farelo de milho, além de muito pasto. Um dia ele foi até a venda do povoado tomar a sua pinguinha e aproveitou para reclamar das despesas que o burro dava.  Ao seu lado, um desconhecido ouviu a conversa. Assim que teve a oportunidade comentou:
– Você sabia que eu tenho um jeito de ensinar um burro a viver sem comer?


O caipira fica todo interessado, mas desconfiado, responde:
– Credito não. Só vendo. Como pode isso?

O sujeito então explica:
– É verdade sim. Você pode ensinar o seu burro a não comer também.
– Como é que faço isso, sô?
– Você faz assim. Amanhã você dá a comida normal para o seu burro. No dia seguinte você dá um pouco menos. E assim você vai diminuindo até ele se acostumar a não comer mais nada. Bem fácil.

O caipira ainda meio desconfiado fala:
– Sei não…

O sujeito então mostra para o caipira um belo burro em frente a venda e diz:
– Tá vendo? Aquele burro bonito é meu. Já faz tempo que ele não come.

O caipira todo entusiasmado vai para casa. No dia seguinte começa a aplicar a nova técnica e diminui a ração do seu burro. Cada dia ele dá um pouco menos de comida para o seu burro. Por outro lado, o trabalho continua o mesmo. Assim segue o novo ritmo, dia após dia. O caipira fica contente porque a técnica está dando certo. O burro já quase não come mais nada. Um belo dia, porém, ao se levantar e ir até o curral ele vê o seu burro morto. Ficou desolado. Pensou consigo mesmo:
– Oh, burro, ocê morre logo agora que te ensinei a num comê nada…

 Pois é. Não há burro que possa viver sem comer. É obrigatório que ele se alimente todos os dias, dia após dia durante toda a sua vida. Com o nosso burro interior o processo é semelhante. Não o deixe morrer de inanição. Estimule-o todos os dias abrindo a sua mente. Amplie o seu conhecimento e as suas competências dia após dia. Quem já se acostumou a viver sem aprender nada de novo por muito tempo, provavelmente, já matou o seu burro intelectual há muito tempo, só ainda não percebeu.


Alimente o seu burro. Estimule-o. Diminua-o, mas não o mate, pois se você matá-lo ele se tornará onipresente.


Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *