Vai criticar? É muito fácil…

Criticar é muito fácil. Basta avaliar a situação e assumir um ponto de vista diferente daquele de quem fez a ação. E isso é quase um exercício natural, uma vez que dificilmente se tem uma posição exatamente igual a um outro por sermos diferentes de todos os outros. Portanto, criticar o outro e aqueles que fizeram ou fazem algo é fácil, podendo ser uma crítica superficial ou profunda, autêntica ou enganosa ou que tenha qualquer um dos adjetivos entre as posições extremas que um indivíduo pode assumir sobre um determinado assunto. Observa-se, entretanto, que quando as críticas são verdadeiras observações de alguém que pensa diferente, normalmente, elas são construtivas e contributivas. Por outro lado, quando as críticas são falsas elas revelam os diferentes também, porém, maldosos e perigosos. Contudo, para mim há uma crítica que pode ser ainda mais perigosa do que a crítica feita por pessoas superficiais, invejosas e fofoqueiras: é a crítica daqueles que se acham. 

O que é a crítica daqueles que se acham? É a crítica daqueles que assumem ter um entendimento e uma visão melhor de mundo, acreditando-se mais sábios e mais justos do que os outros. Particularmente entendo ser muito mais perigoso, pois pode ocultar o arrogante. A pessoa que se vê dessa maneira se entende como diferente, assim como cada um realmente o é, porém se entende como um diferente superior. Passa a ter a pretensão de mostrar ao outro como tomar as melhores decisões, ensinando-o a fazer o mundo melhor. Não o faz, mas ensina a fazer. Não está aberto a entender outras posições, pois já assumiu ser a sua a verdadeira e que somente por intermédio dela é que o mundo vai ser um lugar melhor. Oculta-se nessa visão superior o verdadeiro autoritário. Ao criticar, também se julga numa condição moralmente superior para poder conduzir os destinos dos demais, que segundo ele são alienados e nada têm a contribuir para que o mundo seja melhor. Dirige as suas críticas aos outros, nunca a si.

Vejo, porém, que não somos melhores nem piores do que os outros. Somos apenas diferentes. A crítica autêntica feita de um ponto de vista diferente é uma forma de deixar o legado de um mundo que pode ser melhor do que aquele que recebemos. É essa crítica que nos leva a argumentar, a contra-argumentar, a explicar e a entender, mas conscientes de que devemos fazer a nossa parte ao fazer melhor aquilo que está ao nosso alcance. O mundo pode não ser justo, mas eu tenho a possibilidade de ser justo nas minhas escolhas. 

Vai criticar alguém que fez algo? Muito bem. Trata-se de um crítica simplesmente pela crítica? Você vai apenas criticar ou vai fazer a sua parte? Você teria feito diferente se estivesse na mesma posição? Por que? Porque você é simplesmente diferente ou porque você se acha melhor? 

Publicado por

Moacir Rauber

Moacir Rauber acredita que tem "MUITAS RAZÕES PARA VIVER BEM!" porque "MELANCOLIA NÃO DÁ IBOPE". Também considera que a "DISCIPLINA É A LIBERDADE" que lhe permite fazer escolhas conscientes, levando-o a viver de forma a "QUE POSSA COMPARTILHAR TUDO COM OS PAIS E QUE TENHA ORGULHO DE CONTAR PARA OS FILHOS".

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *