Skip to main content


Facetas!


Somos Únicos.
Somos Múltiplos.
By Moacir Rauber

Você sabe ser feliz na abundância?

http://recreio.uol.com.br/noticias/corpo-humano/cuide-do-seu-corpo.phtml#.XEukn1xKhPY

Via a minha amiga caminhando da sala em direção à cozinha, da cozinha para a varanda e depois de volta para cozinha. Ela demonstrava a irritação da insatisfação de quem não sabe o que quer. Por fim, ela foi em direção à geladeira, abriu a porta, olhou e exclamou:

– Não tem nada para comer na geladeira…

Fechou a porta contrariada e sentou-se no sofá em frente à televisão. Poderia até parecer a cena de uma família pobre em que falta comida e que que vivem a escassez. Não era o caso. A geladeira estava cheia de bolos, salgados e uma enorme variedade de opções para quem estivesse com fome. Era a realidade de quem vive a abundância. É o que acontece com muitas pessoas nos dias de hoje. Elas têm quase tudo disponível na hora que querem, por isso parece que não tem nada. No fundo, elas nem sabem o que querem, para que querem ou se realmente querem. Uma comida diferente? Basta pegar o telefone ou acessar um aplicativo que se tem todas as opções disponíveis. Mas é preciso ter fome! Um filme? É só ligar a televisão e sintonizar os diferentes canais ou senão acessar uma plataforma online que oferece uma seleção infindável de comédias, dramas ou outro gênero qualquer. Mas é preciso estar com real vontade de assistir a um filme! E assim se sucedem os exemplos de nossa era da abundância. E como ser feliz com tanta oferta?

As gerações anteriores viveram e souberam viver na escassez. A prova disso é que estamos aqui. Eles travaram lutas pela sobrevivência. Quem não plantasse e não armazenasse alimentos de um ano para o outro, muito provavelmente, passaria fome. Quem não se protegesse contra os predadores naturais que ainda atacavam o ser humano poderia não amanhecer no dia seguinte. Desse modo, nos períodos de escassez, todas as experiências eram valorizadas. No dia a dia comia-se para se alimentar, comedidamente, porque a oferta era limitada. Fazer uma refeição extraordinária? Era uma experiência preparada, aguardada e saboreada, porque ela não acontecia a todo o momento. Eram momentos especiais, como festas, casamentos e datas comemorativas em que se comia para degustar. Valorizavam-se tais momentos porque eram poucos. As mesmas regras se aplicavam para as bebidas e outras experiências sensoriais humanas. Da mesma forma, estar vivo era um privilégio, porque a morte era uma realidade comum em cada família. Morria-se muito jovem por doenças, acidentes e até por ataques de animais. Esse perigo diminuiu muito e agora nós somos os nossos maiores predadores. Hoje, muitas pessoas vivem a abundância em diferentes áreas. Na alimentação nós vivemos uma época de ofertas como nunca antes vista. E nas relações amorosas? Cada vez em maior número e com menor intensidade. E nas possibilidades de comunicação? Disponível em cada canto do mundo para falar com quem se quiser e cada vez com conexões mais frágeis. Por isso a pergunta: você sabe ser feliz na abundância?

Uma das estratégias talvez seja a de se privar, voluntariamente, daquilo que você gosta e que está disponível sempre que você quiser (Sugerido por Greater good in Action – https://ggia.berkeley.edu/). Os antigos adotavam o jejum como uma prática religiosa e também de saúde. Hoje percebe-se cientificamente que o nosso organismo precisa da escassez para encontrar o equilíbrio gerado pela abundância. Portanto, qual é a comida com a qual você se delicia e que está no seu cardápio frequentemente? Para reaprender a saboreá-la deixe de comê-la por duas semanas e depois faça uma refeição com a consciência dos prazeres sensoriais que o degustar consciente do prato proporciona. É um exemplo de uma prática que pode ser aplicada em diferentes domínios da vida. Abster-se daquilo que se tem para valorizar aquilo que se tem.

Assim como a minha amiga do início do texto, ainda preciso saber valorizar o que tenho para não transformar a abundância em tédio e frustração.

E na sua vida, como vão os seus sentidos? Você sabe desfrutar da abundância?

 

Moacir Rauber

Blog: www.facetas.com.br

E-mail: [email protected]

Home: www.olhemaisumavez.com.br

Moacir Rauber

Moacir Rauber acredita que tem "MUITAS RAZÕES PARA VIVER BEM!" porque "MELANCOLIA NÃO DÁ IBOPE". Também considera que a "DISCIPLINA É A LIBERDADE" que lhe permite fazer escolhas conscientes, levando-o a viver de forma a "QUE POSSA COMPARTILHAR TUDO COM OS PAIS E QUE TENHA ORGULHO DE CONTAR PARA OS FILHOS".

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *