Skip to main content


Facetas!


Somos Únicos.
Somos Múltiplos.
By Moacir Rauber

A finitude é uma benção: a comunicação é uma ferramenta para (Re) Criar a Humanização!

A IMAGEM DE UMA EXPERIÊNCIA!

“Além do que é certo ou errado se estende um campo. Ali nos encontraremos (Rumí)” reflete a ideia de que o que fazemos por aqui um dia vai acabar. Particularmente entendo que ao ter essa consciência, abrem-se as oportunidades de desenvolver competências que nos permitam (Re) Criar a Humanização, tema central do ESARH 2020, e a comunicação é uma delas. O que vemos, o que sentimos, o que precisamos e o que pedimos? Como comunicamos e o que queremos comunicar? Como nos comunicamos e com quem nos comunicamos? São perguntas que nos permitem comunicar de uma forma mais humana, respeitando-nos e respeitando-os.

Na última semana participei de um programa chamado IIT – International Intensive Training promovido pela CNVC (Centro de Comunicação Não-Violenta) na Argentina que explora as ferramentas da proposta de Marshall Rosenberg sobre os princípios da Comunicação Não-Violenta. Foi uma experiência impressionante. O envolvimento das pessoas e a sua entrega na busca por um mundo melhor em que a partir da comunicação se comecem a diminuir os conflitos intrapessoais e interpessoais com reflexos em todos os níveis da sociedade. Quais são as suas dores? Quais são as suas celebrações? O mundo externo, notadamente, é reflexo daquilo que carregamos dentro de nós. Não há como ser diferente, entretanto, percebe-se uma grande dificuldade em reconhecer que o mundo é resultado das interações humanas e que está muito mais próximo de ser como cada um o vê do que algo homogêneo resultado daquilo que cada um acredita ver. Ahh, então tudo é diferente para todos? Não e Sim. Não, porque essa percepção não revoga as leis da física, da química e a exatidão da matemática. Uma tábua de madeira com dois metros continua sendo uma tábua de madeira de dois metros. Um fato reconhecido por todos continua sendo um fato. Por outro lado, sim, porque começam a ser criados mundos a partir das interpretações dos fatos e o que eles geram em cada um. São esses mundos que se inter-relacionam.

Portanto, ao observar um fato e o sentimento que esse fato gera em quem o vê, fica mais fácil identificar o que se precisa para então se comunicar com clareza por intermédio de um pedido. Aquela mesma tábua pode despertar nas diferentes pessoas diferentes reações. Para um pode ser ponte, para outro barreira. E são esses mundos das percepções e interpretações dos fatos que são fontes de conflitos e podem ser fontes de conexões. Entender as próprias dores para reconhecer as dores do outro. Assim, a comunicação pode reconectar cada um consigo mesmo, bem como permitir a conexão com o outro. A conexão entre esses mundos é que pode (Re) Criar a Humanização, resultando em indivíduos mais felizes e em organizações mais produtivas por meio de seres Humanos mais Humanos.

Foi essa experiência que vivi na Argentina. Pessoas se conectando com pessoas com respeito e auto respeito por meio de um processo humanizado de comunicação. Isso é parte do processo de (Re) Criar a Humanização em tempos da Era Digital, em que a percepção cria mundos individuais que, de uma forma ou de outra, se inter-relacionam. Esse é o nosso desafio como pessoas que tem diferentes papéis sociais, considerando-se que um dia tudo aquilo que se vê deixará de existir. Enfim, “além do que é certo ou errado se estende um campo. Ali nos encontraremos (Rumí).”

 

Moacir Rauber

Blog: www.facetas.com.br

E-mail: [email protected]

Home: www.olhemaisumavez.com.br

Moacir Rauber

Moacir Rauber acredita que tem "MUITAS RAZÕES PARA VIVER BEM!" porque "MELANCOLIA NÃO DÁ IBOPE". Também considera que a "DISCIPLINA É A LIBERDADE" que lhe permite fazer escolhas conscientes, levando-o a viver de forma a "QUE POSSA COMPARTILHAR TUDO COM OS PAIS E QUE TENHA ORGULHO DE CONTAR PARA OS FILHOS".

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *