Presença física ou virtual? Não importa…

Presença física ou virtual? Não importa…

Ao encerrar o primeiro semestre letivo da universidade foi feita uma avaliação sobre os resultados das aulas, das dificuldades, dos desafios e das aprendizagens. Tudo foi intenso. As dificuldades foram muitas desde o primeiro dia de aulas virtuais, assim como os desafios de elaborar estratégias para manter a conexão com os alunos. Como resultado dos desafios e das dificuldades vieram as aprendizagens, como a criação de materiais didáticos e a adoção de novas estratégias para as aulas presenciais que migraram para o ambiente virtual.

Além do mais, ficou a constatação de que aquilo que é virtual não é antônimo de real, assim como virtual é presencial.

Aulas virtuais síncronas podem ser consideradas presenciais? Acredito que sim. No semestre, avaliei os resultados de duas turmas conforme a presença e a participação e, no final, elas fazem a diferença. Todos os professores foram orientados a continuar registrando a presença dos alunos em sala de aula. O conteúdo era passado, discutido, lido, apresentado, trabalhado individualmente e em grupos, assim como vídeos eram exibidos e seminários realizados. O desafio para os professores foi grande, porque a presença e a participação dos alunos exigiam foco e presença num movimento ativo de aprendizagem. As metodologias ativas nunca fizeram tanto sentido como nas aulas presenciais do ambiente virtual. Para o professor, quando os alunos se conectavam sem ligar a câmera, dava a sensação de estar falando sozinho, exigindo-lhe autoconfiança e energia para continuar. Para os alunos a exigência também aumentou, porque eles foram solicitados a participar e a interagir nos trabalhos individuais e em grupos com mais frequência. Precisavam ler, resumir, estruturar e apresentar seu entendimento sobre o tema em questão. Além disso, os alunos estavam em seu ambiente doméstico ou de trabalho sujeitos a distrações que resultava difícil manter o foco. O semestre iniciou com as aulas contando com a presença física dos alunos e dos professores, migrou para as aulas síncronas virtuais e, entre expectativas e frustrações, terminou com aulas presenciais virtuais. E o que foi constatado ao final? Examinei a presença no ambiente virtual e os resultados do processo de avaliação dos alunos realizado em âmbito nacional sobre o conteúdo ministrado. Fiquei impressionado com a relação entre a presença no ambiente virtual e os resultados positivos da avaliação. Nas duas turmas em que analisei caso a caso as notas finais estiveram diretamente ligadas a presença em sala de aula virtual. Alunos que participaram de todas as aulas tiveram as maiores notas. Alunos que menos participaram das aulas tiveram as menores notas. Destaque-se: as notas não foram atribuídas por mim. Portanto, entendo que aulas síncronas dadas no ambiente virtual são aulas presenciais.

Enfim, o virtual não é antônimo de real, mas pode ser antônimo de físico. A presença é outra questão. Estar num ambiente ou noutro vai muito além da presença física. Antes da pandemia as pessoas usavam a tecnologia de seus celulares para se ausentarem das salas de aula, ainda que fisicamente estivessem nelas. Nesse momento, as pessoas usam essa mesma tecnologia para estarem nas salas de aulas, ainda que não fisicamente. Certamente continuaremos a ter alunos e professores que estarão ausentes, seja no ambiente físico ou virtual, naquele processo em que um disfarça que ensina e outro faz de conta que aprende. Porém, essa é uma escolha individual.

O que realmente importa para aprender e ensinar é quando entregamos aquilo que temos de mais valioso para com quem estamos: a nossa presença. Ambiente físico ou virtual? Não importa. Importa mesmo é que seja real!

Moacir Rauber

Blog: www.facetas.com.br

E-mail: mjrauber@gmail.com

Home: www.olhemaisumavez.com.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *