Muito obrigado, estou com pressa!

Fonte: pixabay.com

Muito obrigado, estou com pressa!

O motorista viu que o sinal estava por fechar, passava do verde para o amarelo. Segundo as leis de trânsito, deveria parar e ele sempre seguia as leis. Entretanto, naquele dia ele não pararia. Acelerou e aproveitou o último momento do amarelo, talvez já um pouco no vermelho, para cruzar o semáforo. Seguiu com a pista livre para levar a sua mãe para o hospital. Ela havia sofrido uma parada cardíaca ou AVC, não sabia. Sabia que era grave. Viu outro carro parado ao lado em função da transição do amarelo para o vermelho e deu-lhe uma pequena buzinada de cumprimento. Mentalmente disse:

– Muito obrigado, estou com pressa, é urgente…

Na semana passada escrevi um texto em que um motorista tratava o outro de estúpido pela infração de trânsito que ele, supostamente, havia visto o outro cometer: furar o sinal vermelho. Foi um diálogo interno violento. Constatar a infração (observação) gerou nele uma irritação (sentimento) descontrolada que culminou com xingamentos verbais expressando o seu descontentamento com a falta de compromisso com as normas (necessidade). Ao analisar a mesma cena a partir da perspectiva do outro envolvido, igualmente, pode-se constatar o fato do condutor cruzar o semáforo, porém com outra interpretação, outros sentimentos e outras necessidades.  Para o segundo condutor ele cruzou o sinal no limite da transição do amarelo para o vermelho, porque tinha a urgência da saúde de sua mae em foco que estava conectado com a sua necessidade de afeto. Eis um ponto essencial na interação humana: as necessidades nos movem. Quais as necessidades que movem você?  O que são necessidades? Necessidade é a qualidade daquilo que é necessário, que não se pode evitar e indispensável para a vida. A partir das necessidades as pessoas criam os sentimentos. Entretanto, nem sempre é tao simples saber quais são as necessidades, uma vez que é comum confundir as necessidades e os desejos. As pessoas, muitas vezes, desejam um carro, mas a necessidade é a mobilidade. É comum desejar um celular, mas a necessidade é de conexão. Com essa confusão, os sentimentos podem estar equivocados e a expressão no processo de comunicação pode ser agressivo. O diálogo interno do primeiro motorista foi violento. Provavelmente, com o sentimento gerado a partir da interpretação de mundo da sua perspectiva levando somente em conta a sua necessidade de ordem, o contato presencial com o outro envolvido seria negativo. Porém, se ele conhecesse a necessidade da outra parte, a urgência da saúde da mae e o afeto envolvido, certamente a interação seria diferente. Por isso, conhecer adequadamente as minhas necessidades, o que me move, e conhecer as necessidades do outro, o que o move, é fundamental num processo de resolução de conflitos.

Enfim, se o condutor que tinha a necessidade de ordem que estava parado no semáforo e o condutor que tinha a urgência da saúde da mae se encontrassem no estado de animo que estavam, a probabilidade de conflito seria grande. Porém, se cada um deles conhecesse necessidade própria e alheia, o conflito desapareceria quase que instantaneamente.  Assim, contar até dez antes de tomar uma atitude continua sendo um preceito válido para conectar-se com as próprias necessidades e com isso contribuir e ajudar sem julgar o outro como estúpido sabendo que ele tem as suas necessidades. Conhecer as necessidades próprias e alheias fará com que cada um possa ser amável consigo e com o outro.

Muito obrigado!  

– De nada! Com AFETO.

Moacir Rauber

Blog: www.facetas.com.br

E-mail: mjrauber@gmail.com

Home: www.olhemaisumavez.com.br

Inspirado: Miriam Moreno

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *