Skip to main content


Facetas!


Somos Únicos.
Somos Múltiplos.
By Moacir Rauber

Proteja esta casa dos tigres!

Proteja esta casa dos tigres!

Toda manhã a mulher vai até a frente de sua casa e grita:

– Proteja esta casa dos tigres!

Logo em seguida ela volta para sua casa e segue a rotina diária. Finalmente um vizinho que acha aquilo tudo muito louco toma coragem e vai falar com ela:

– Por que você faz isso todo dia? Não há tigres aqui. Eles estão há milhares de quilômetros…

Ela responde:

– Tá vendo? Funciona!

Outra das piadas extraídas do livro Plato and Platypus walk into a Bar… (Thomas Cathcart & Daniel Klein). É um convite à reflexão de como, muitas vezes, desenvolvemos hábitos e comportamentos que não produzem nenhum resultado e estão completamente desconectados da realidade. Isso vale para as pessoas e para as organizações. Quantos hábitos e costumes que nós conservamos que não acrescentam nada em nossas vidas? Quantos tigres nós afugentamos todos os dias?

As organizações também têm os seus tigres. Os seus rituais, os hábitos e comportamentos exibidos por muitos líderes nas organizações, muitas vezes, são exemplos disso. Quem nunca se defrontou com a expressão, “Aqui sempre se fez assim…” e seguem afugentando tigres que não mais existem. Essa prática pode revelar uma cultura organizacional que oculta as próprias incompetências ao criar inimigos imaginários. Uma cultura é formada por políticas e diretrizes que são percebidas por todos, conectando-se à missão, aos valores e à visão. Igualmente, a cultura pode gerar sentimentos e atitudes não tão facilmente perceptíveis. Desse modo, a cultura mobiliza e estimula relações informais com o estabelecimento de normas de grupo que ratificam uma forma de ser organizacional a partir dos comportamentos individuais. Nada contra conservar elementos culturais que definem as fronteiras dos comportamentos, que dão um sentido de identidade, que estimulam a estabilidade das relações, que servem como orientadores de sentido e que mostram as regras do jogo. Afinal, a cultura define quem somos no jogo. Entretanto, é importante saber qual é o jogo que está sendo jogado. Uma cultura organizacional que cria os inimigos imaginários tende a sufocar comportamentos e atitudes que poderiam manter a organização no jogo. Afugentar tigres que não existem é conveniente para organizações incompetentes a partir de sua liderança. Ao escolher um inimigo externo a organização acusa para se escusar das responsabilidades. Com isso, inibe-se a inovação e a criatividade individual e organizacional; não se presta atenção aos detalhes do público interno e externo; perde-se o foco dos resultados; descuida-se das pessoas; fragiliza-se o espírito de equipe; exacerba-se a agressividade; e rouba-se a estabilidade das pessoas no ambiente organizacional. Um cultura organizacional com os inimigos externos, normalmente, cria um desfavorável clima organizacional interno, desperdiçando tempo, energia e as competências que poderiam levá-la a se manter competitiva. É fundamental conservar aquilo que nos define como pessoas e como organização, porém é essencial mudar para evoluir na direção que se quer.

Por fim, em tempos de rápidas mudanças tecnológicas é fundamental saber escolher o foco das ações. Onde está o inimigo? Já faz algum tempo que o ser humano não tem predadores naturais. Criar inimigos onde não há pode revelar um cultura de autossabotagem organizacional a partir da liderança que termina por limitar as pessoas que a compõem. Quais tigres você está afugentando?

Moacir Rauber

Blog: www.facetas.com.br

E-mail: [email protected]

Home: www.olhemaisumavez.com.br

Presença física ou virtual? Não importa…

Presença física ou virtual? Não importa…

Ao encerrar o primeiro semestre letivo da universidade foi feita uma avaliação sobre os resultados das aulas, das dificuldades, dos desafios e das aprendizagens. Tudo foi intenso. As dificuldades foram muitas desde o primeiro dia de aulas virtuais, assim como os desafios de elaborar estratégias para manter a conexão com os alunos. Como resultado dos desafios e das dificuldades vieram as aprendizagens, como a criação de materiais didáticos e a adoção de novas estratégias para as aulas presenciais que migraram para o ambiente virtual. Além do mais, ficou a constatação de que aquilo que é virtual não é antônimo de real, assim como virtual é presencial.

Aulas virtuais síncronas podem ser consideradas presenciais? Acredito que sim. No semestre, avaliei os resultados de duas turmas conforme a presença e a participação e, no final, elas fazem a diferença. Todos os professores foram orientados a continuar registrando a presença dos alunos em sala de aula. O conteúdo era passado, discutido, lido, apresentado, trabalhado individualmente e em grupos, assim como vídeos eram exibidos e seminários realizados. O desafio para os professores foi grande, porque a presença e a participação dos alunos exigiam foco e presença num movimento ativo de aprendizagem. As metodologias ativas nunca fizeram tanto sentido como nas aulas presenciais do ambiente virtual. Para o professor, quando os alunos se conectavam sem ligar a câmera, dava a sensação de estar falando sozinho, exigindo-lhe autoconfiança e energia para continuar. Para os alunos a exigência também aumentou, porque eles foram solicitados a participar e a interagir nos trabalhos individuais e em grupos com mais frequência. Precisavam ler, resumir, estruturar e apresentar seu entendimento sobre o tema em questão. Além disso, os alunos estavam em seu ambiente doméstico ou de trabalho sujeitos a distrações que resultava difícil manter o foco. O semestre iniciou com as aulas contando com a presença física dos alunos e dos professores, migrou para as aulas síncronas virtuais e, entre expectativas e frustrações, terminou com aulas presenciais virtuais. E o que foi constatado ao final? Examinei a presença no ambiente virtual e os resultados do processo de avaliação dos alunos realizado em âmbito nacional sobre o conteúdo ministrado. Fiquei impressionado com a relação entre a presença no ambiente virtual e os resultados positivos da avaliação. Nas duas turmas em que analisei caso a caso as notas finais estiveram diretamente ligadas a presença em sala de aula virtual. Alunos que participaram de todas as aulas tiveram as maiores notas. Alunos que menos participaram das aulas tiveram as menores notas. Destaque-se: as notas não foram atribuídas por mim. Portanto, entendo que aulas síncronas dadas no ambiente virtual são aulas presenciais.

Enfim, o virtual não é antônimo de real, mas pode ser antônimo de físico. A presença é outra questão. Estar num ambiente ou noutro vai muito além da presença física. Antes da pandemia as pessoas usavam a tecnologia de seus celulares para se ausentarem das salas de aula, ainda que fisicamente estivessem nelas. Nesse momento, as pessoas usam essa mesma tecnologia para estarem nas salas de aulas, ainda que não fisicamente. Certamente continuaremos a ter alunos e professores que estarão ausentes, seja no ambiente físico ou virtual, naquele processo em que um disfarça que ensina e outro faz de conta que aprende. Porém, essa é uma escolha individual. O que realmente importa para aprender e ensinar é quando entregamos aquilo que temos de mais valioso para com quem estamos: a nossa presença. Ambiente físico ou virtual? Não importa. Importa mesmo é que seja real!

Moacir Rauber

Blog: www.facetas.com.br

E-mail: [email protected]

Home: www.olhemaisumavez.com.br

Quem quer ser feliz?

Quem quer ser feliz?

A busca pela felicidade talvez seja o objetivo final de cada ser humano na sua jornada. Isso passa pela presença e pelo relacionamento com os outros, porque “nenhum homem é uma ilha” (Thomas Morus). Por isso, nos organizamos em sociedade com regras, condições e limites entre os direitos e os deveres individuais. Ao longo da sua história a humanidade modificou hábitos e costumes, bem como criou e desenvolveu a tecnologia que nos acompanha. Igualmente, a forma de transmissão do conhecimento sofreu alterações. Nas sociedades mais antigas eram os conselhos de anciãos que ditavam as regras, um costume transversal a quase todas as culturas, ainda que elas não tivessem conexão entre si. Assim foi na Grécia de Esparta, nas sociedades asiáticas ou nas comunidades indígenas das américas em que os conselhos de anciãos eram reverenciados. Eles também eram os responsáveis pela transmissão dos rituais, dos costumes e das diferentes mitologias que envolviam as mais diversas culturas. Aquilo que se transmitia presencialmente passou a ser registrado metodologicamente e a transmissão do conhecimento já não exigia a presença do outro. O grande conselho de anciãos foi substituído pela ciência. Porém, a busca humana continua sendo pela felicidade. O que isso nos revela?

A metodologia científica foi e é responsável pela melhoria de muitos indicadores de saúde e de qualidade de vida naquilo que se refere ao desenvolvimento de equipamentos, medicamentos, tratamentos e a tecnologia aplicada que se fundamentam na lógica. Considere-se ciência como o “corpo de conhecimentos sistematizados adquiridos via observação, identificação, pesquisa e explicação de determinadas categorias de fenômenos e fatos, e formulados metódica e racionalmente” (https://pt.wikipedia.org/wiki/Ci%C3%AAncia). Portanto, a aquisição e a transmissão de conhecimentos que usam o método científico precisam ser lógicas. Assim, entendo que ao usar a ciência para todas as áreas, inclusive substituindo o “conselho de anciãos”, se perdeu algo. O Ser Humano não é lógico. A sua busca é a felicidade. Entenda-se felicidade como sendo “um estado durável de plenitude, satisfação e equilíbrio físico e psíquico, em que o sofrimento e a inquietude são transformados em emoções ou sentimentos que vão desde o contentamento até a alegria intensa ou júbilo” (https://pt.wikipedia.org/wiki/Felicidade). A felicidade, igualmente, não é lógica, pois é uma busca pelo bem-estar espiritual e uma paz interior que não pode ser parametrizada como a ciência exige. A busca pela felicidade é um movimento único, individual e singular. Entendo que a metodologia científica não a lograria entender. Mais recentemente surge a neurociência que consiste no “estudo sobre o sistema nervoso e suas funcionalidades, além de estruturas, processos de desenvolvimento e alguma alteração que possa surgir no decorrer da vida” (https://www.passeidireto.com/). A neurociência constata muitos dos fenômenos que ocorrem na cérebro há milhares de anos. A plasticidade cerebral, dada como uma descoberta da neurociência, está presente na formação do conselho de anciãos. As sociedades antigas sabiam que a probabilidade de maior sabedoria com o passar da idade era grande. Ou seja, podemos aprender por toda a vida estava implícito na formação do Conselho de Anciãos. Portanto, essa descoberta da neurociência não cria algo, mas traz à luz algo que acontece.

Por isso, acredito que, em muitos casos, a ciência e a neurociência vão nos levar a uma viagem de retorno às nossas raízes. É um caminho de reconexão como os nossos ancestrais. Ainda precisamos do “Conselho de Anciãos”, assim como a ciência e a neurociência são fundamentais. A ciência é lógica. A neurociência constata muitos fenômenos lógicos que acontecem no cérebro. O ser humano nem sempre é lógico. A felicidade não é lógica. Porém, usar a ciência para melhorar tudo aquilo que é lógico pode nos aproximar da felicidade que não é lógica. No final, é preciso fazer sentido!

Moacir Rauber

Blog: www.facetas.com.br

E-mail: [email protected]

Home: www.olhemaisumavez.com.br

Que tipo de aprendiz é você? Mosca, zangão ou abelha 1?

Que tipo de aprendiz é você? Mosca, zangão ou abelha 1?

Há duas semanas escrevi o texto “Que tipo de aprendiz é você? Mosca, zangão ou abelha?” em que explorei as competências da abelha, deixando em segundo plano o zangão e a mosca. A abelha, como metáfora, traz em si qualidades para um aprendiz, como a perseverança, a dedicação, a organização e a humildade. No final do texto perguntei: e a mosca e o zangão? O que podemos aprender com eles? Que trabalhadores são eles e qual analogia serve para nós?

A mosca e o zangão podem nos ensinar como podemos ser aprendizes de diferentes maneiras em qualquer ambiente. Se a abelha é exemplo da aprendizagem organizada e coletiva, a mosca e o zangão podem exemplos de aprendizagem no caos e na solidão. A abelha frequenta o jardim e procura a flor, o belo, e volta com o néctar para a colmeia, o coletivo, para realizar o seu trabalho. A (1) mosca zanza de uma planta a outra sem um paradeiro para encontrar os dejetos, o feio, para cumprir a sua missão. A mosca encontra os restos de matéria orgânica em cantos ocultos do jardim, transformando-os em adubo para que as flores sejam ainda mais vistosas. Elas aproveitam aquilo que os demais já não querem. Porém, igualmente a abelha, a mosca poliniza outras plantas, contribuindo ainda mais para a continuidade da vida no jardim. E na nossa sociedade, quantos trabalhos existem que a grande maioria das pessoas se negaria a fazer? São profissões que podem não ter o prestígio de outras, mas nem por isso são menos relevantes. São os cuidadores de idosos que cumprem um papel que a família já não quer ou não pode mais. São os limpadores de esgotos subterrâneos que permitem que as nossas ruas e casas permaneçam limpas. São os analistas de laboratórios que trabalham com os nossos restos orgânicos para que possamos manter a nossa saúde, entre outros exemplos de trabalhos não glamourosos. Entretanto, para exercê-los é preciso aprender e trabalhar no caos para manter a ordem. O (2) zangão no seu comportamento exibido ao bater as asas para chamar a atenção no meio do jardim, talvez busque espantar a solidão. Ele tem um porte diferenciado das demais abelhas, porém vive uma vida solitária com a única função de garantir a fecundação da abelha rainha. Não produz mel, não interage com outras abelhas e é nascido de um embrião não fecundado. A sua função é solitária desde o nascimento. Da mesma maneira, quantas profissões existem que nós não vemos o esforço solitário de alguém que precisa se manter em evidência? A área de vendas externas exige muita exposição, mas é uma atividade solitária que demanda esforço e iniciativa. Os profissionais que trabalham com a revisão de textos sequer têm o seu nome registrado no trabalho como forma de reconhecimento. Um consultor de empresas entra numa organização, analisa, compila e fornece alternativas para depois sair de cena. Eles quase nunca têm equipes, mas contribuem para o coletivo. São trabalhos solitários e essenciais em nossa sociedade. Portanto, a mosca nos ensina a aprender a ordem a partir do caos, enquanto o zangão nos ensina o sentido dos trabalhos individuais, porque ambos refletem no coletivo. Haja competência emocional para aprender e ensinar como a mosca e o zangão…

Acredito que tudo o que existe tem uma função. Aquilo que não tem mais função vai para o museu, adquirindo nova função.  Ninguém é mais ou menos importante por causa da função. Se da abelha podemos a aprender a ser aprendizes organizados e coletivos, a mosca e o zangão nos ensinam a sermos aprendizes no caos e na solidão. Porém, é essencial ter em mente o sentido daquilo que se aprende para saber o resultado daquilo que se faz. Assim, tornamo-nos aprendizes com apreço por aquilo que aprendemos; dedicados para aprofundar o conhecimento e o seu uso; tranquilos mentalmente para ser perseverantes e entender que a paciência é uma virtude do eterno aprendiz.

Abelha, mosca ou zangão? Se eles existem, há uma função. Qual é a sua função?

Moacir Rauber

Blog: www.facetas.com.br

E-mail: [email protected]

Home: www.olhemaisumavez.com.br

Pessoas: “Esticar” ou “Podar”?

Pessoas: “Esticar” ou “Podar”?

A mitologia grega diz que Procusto era um assaltante gigante que capturava as suas vítimas e as levava para a sua habitação. Uma vez lá, ele as deitava na sua cama, uma estrutura de ferro que continha exatamente as suas medidas. Aqueles que se ajustavam perfeitamente eram liberados, juntamente com os seus pertences. Porém, a grande maioria era menor que as medidas da cama, assim, Procusto procurava “esticá-los” até que estivessem do tamanho da sua cama. Alguns dos seus “convidados” ultrapassavam as medidas de sua cama e ele, sem hesitação, “podava” as partes excedentes. Ao ser questionado sobre a sua prática, Procusto respondia que estava fazendo justiça ao eliminar as diferenças entre as pessoas. Quais são os Procustos dos dias de hoje? E no seu ambiente, as pessoas são “esticadas” ou “podadas”?

Nas nossas relações, muitas vezes, somos levados a nos ajustarmos às “camas” dos outros Procustos ou fazemos com que os outros se ajustem às nossas “camas” como Procusto. Somos vítimas e algozes. Não somos inocentes. Basta pensar nos diferentes grupos aos quais pertencemos. Na família, às vezes, queremos “esticar” ou “podar” os nossos filhos, os pais ou os irmãos. Com os amigos, agrupamo-nos por time de futebol, religião, opiniões políticas ou outros pontos em comum, porque queremos caber na “cama”. Ficamos incomodados com pessoas que não se ajustam a nossa “cama” e, por isso, nos afastamos daqueles que consideramos diferente. No ambiente organizacional ocorre algo parecido. A cultura organizacional pode ser um Procusto dos nossos dias. A gestão de Recursos Humanos realiza um processo de seleção em que busca identificar as qualidades únicas do candidato que o tornam relevante para a organização. Na sua chegada na empresa, ele é submetido a uma série de atividades de acolhimento e de integração num processo de socialização organizacional para torná-lo um membro efetivo. Normalmente, ele é apresentado à missão, à visão e aos valores organizacionais, assim como recebe uma mensagem de boas-vindas dos diretores. Busca-se dar ao novo colaborador a possibilidade de entender e de se apropriar dos valores compartilhados na organização. Depois ele chega à sua equipe para desempenhar o seu papel. Em muitas organizações são oferecidas as trilhas de aprendizagem para capacitá-lo para as tarefas e prepará-lo para o desempenho. As diferentes culturas organizacionais podem estar voltadas à inovação, aos resultados, às pessoas ou ao trabalho em equipe, por exemplo, e a preocupação para que o novo integrante se sinta acolhido para poder se integrar é importante. Entretanto, nesse processo, muitas vezes, é tirado da pessoa o que ela tem de melhor: a sua unicidade. Como ele vai inovar, produzir resultados diferentes, respeitar e ser respeitado como pessoa ou ser importante para uma equipe se ele não puder ser quem ele é? Se algumas das suas diferenças podem levar a que se queira “esticá-lo” para que se ajuste ao padrão do ambiente? Se outras diferenças podem fazer com que se queira “podá-lo”, evitando que ele ultrapasse os limites impostos pelo ambiente? É a prática de Procusto no ambiente organizacional que pode ser identificada no clima familiar e nas relações de amizade. O que você percebe e sente nos ambientes em que você circula?

Enfim, a mitologia grega continua atual. Por isso, não importa o ambiente, acredito que muito mais do que “esticar” ou “podar” cabe a cada um de nós reconhecer, compreender, aceitar e respeitar o outro como um verdadeiro outro permitindo que ele desenvolva as suas potencialidades únicas. É nessa unicidade que está a grande contribuição do indivíduo para a família, para os amigos, para a organização e para a organização. “Somo todos diferentes, somos todos iguais” e é essencial que cada um tenha a sua cama.

Moacir Rauber

Blog: www.facetas.com.br

E-mail: [email protected]

Home: www.olhemaisumavez.com.br

Que tipo de aprendiz é você? Mosca, zangão ou abelha?

Fonte: https://pixabay.com/pt/photos/storchschnabel-abelha-primavera-495275/

Que tipo de aprendiz é você? Mosca, zangão ou abelha?

A mosca, quando está no jardim, perambula entre as flores e não se fixa em nenhuma delas. A mosca é, aparentemente, tão volúvel em seu passeio pelo jardim que não consegue ver a beleza que há nele. O zangão voa de uma planta a outra com menos frequência, mas igualmente parece não encontrar nada produtivo nas flores. Ele prefere fazer ruído com as suas asas, chamando a atenção sobre si sem se dedicar a conhecer a flor. A abelha também circula de flor em flor. Ela sai pela manhã de sua colmeia e viaja até o ponto mais distante para depois retornar. No seu caminho de volta, visita o maior número possível de flores. Diferentemente da mosca e do zangão, a abelha se detém cuidadosamente em cada flor, explora-a profundamente e retira o néctar que é levado até a colmeia para que o mel seja produzido. Um produto nobre que serve de reserva alimentar das abelhas no inverno e igualmente é consumido por outras espécies, inclusive o homem. Qual é a analogia que a abelha nos permite fazer da nossa relação com o meio? Que tipo de aprendiz é você?

Em tempos de rápidas mudanças comportamentais e tecnológicas, que influenciam diretamente o formato do processo de ensino e de aprendizagem, as competências exibidas pela abelha continuam a ser determinantes para que cada um de nós possa se manter na mente do aprendiz. Pode-se destacar a perseverança no trabalho da abelha para atingir as suas metas de levar o néctar para a colmeia. Mapear, explorar e recolher o néctar de maneira metódica e sequencial é um trabalho de “abelhinha”, ainda que o ambiente mude constantemente. Igualmente, pode-se observar a organização, a dedicação e a competência de entender o sentido daquilo que se faz. Isso é fundamental para o aprendiz, seja estudante, colaborador, empreendedor ou outro papel social qualquer. Compreender aquilo que se faz gera o apreço por aquilo que se faz. Essa competência pode ser vista como a visão sistêmica que reconecta o indivíduo com a relevância do seu papel naquilo do que ele faz parte. Saber que o seu papel afeta a vida das outras pessoas nos permite desenvolver o apreço por aquilo que se faz. Dessa forma, fica mais fácil ser organizado e dedicado. Entretanto, para ser organizado se exige planejamento, assim como o planejamento motiva a organização. Para esse fim, o cuidado com os detalhes para aprender profundamente algo novo é essencial e se revela na dedicação. São competências socioemocionais que vão permitir que cada um desenvolva competências técnicas que o papel escolhido exige. Portanto, a abelha nos oferece um boa analogia para o desenvolvimento pessoal que requer foco e concentração como resultados da perseverança. As dificuldades e os desafios são imensos, porque as distrações oriundas das mudanças tecnológicas e comportamentais são muitas. Como a abelha nos ensina, é importante ser perseverante para se manter na mente do aprendiz.

Enfim, que tipo de aprendiz é você? Perseverante? Organizado? Dedicado? Você entende o sentido daquilo que você faz? Certamente desenvolver a visão sistêmica contribuirá para que você saiba o impacto das tuas ações, ou das não ações, no ambiente e nas pessoas a tua volta com a consciência das intenções. Ser capaz de afetar com afeto fará de cada pessoa um melhor aprendiz. E o que dizer da mosca? E do zangão? Fica para uma próxima reflexão.

Moacir Rauber

Blog: www.facetas.com.br

E-mail: [email protected]

Home: www.olhemaisumavez.com.br

Você fala tudo o que lhe vem à cabeça?

Você fala tudo o que lhe vem à cabeça?

Ainda bem que está passando o período em que se incentivava a que todos dissessem tudo o que lhes vem à cabeça o tempo todo. Nas últimas décadas, algumas gerações foram educadas acreditando piamente que elas eram as mais lindas, as mais inteligentes e a mais talentosas pessoas que já pisaram na face do planeta. Em núcleos familiares cada vez menores, os pais diziam, “Você é um príncipe” ou “Você é uma rainha” incutindo na cabeça da criança que ela era a pessoa mais especial do mundo e que podia tudo porque todos estavam a sua disposição. Naquele pequeno reino familiar realmente era assim. Foi um movimento de oposição a um período anterior em que gerações foram levadas a crer que apenas eram mais um na multidão e, em muitos casos, eram mão de obra barata que passava a integrar o grande núcleo familiar.  Entendo que as duas situações devem ser consideradas. Na primeira, muitas pessoas não desenvolveram filtros para se expressarem de forma respeitosa, revelando as partes não tão boas de si. Na segunda, um grande grupo de pessoas não consegue se expressar ocultando o que tem de melhor em si. Por isso faço a pergunta: se não sou especial e não sou apenas mais um, quem sou?

Acredito que nem uma nem outra situação seriam modelos a serem seguidos, porque entendo que não somos especiais, assim como não somos apenas mais um. Cada Ser Humano neste planeta é único, singular e múltiplo, não necessariamente especial. Nunca apenas mais um. As gerações anteriores, que foram educadas na base do medo, eram levadas a fazerem o que não queriam em nome de uma pressão social que os oprimia. Não havia horizontes para os submissos dos núcleos familiares e eles ficavam fracos emocionalmente. Não lutavam porque não viam possibilidades. Nas gerações seguintes, para que os filhos não passassem pela mesma situação, muitos pais passaram a criar sem terem a coragem de educar os filhos. Desse modo, muitas crianças cresceram com os excessos da ausência de limites. Os pequenos deuses que foram criados podiam tudo. Igualmente, ficaram fracos emocionalmente. Não lutam, porque não suportam um “não” como resposta. São essas gerações que se encontram nas famílias, nas organizações e na sociedade. Qual o resultado disso? Particularmente acredito que são pessoas únicas e singulares com a sua multiplicidade que vão interagir para daí surgir algo melhor. Apoiando-se na inteligência emocional se poderia dizer que tanto aqueles que se submetem ao não ver possibilidades, como aqueles que não toleram a divergência, necessitam desenvolver o autocontrole. Da interação entre submissos e mimados é que pode surgir pessoas com autocontrole, prudência e humildade suficientes que resultem na fortaleza emocional da temperança. Com isso, as pessoas vão identificar o momento de se expressar ou de não se expressar na constante busca pela realização interdependente com o outro.

Enfim, ouvi muitas pessoas afirmarem com o peito inflado de orgulho que falam tudo o que lhes vem à cabeça, doa a quem doer. Quando ouço isso formo uma imagem não tão positiva. Revela que estou diante de alguém fraco emocionalmente, porque não desenvolveu competências humanas fundamentais para ser um melhor profissional. Frente a uma divergência, grita, ofende e agride. Por outro lado, nunca falar nada para não divergir é igualmente prejudicial, porque gera a sensação de uma falsa harmonia. Ambas as posturas prejudicam o ambiente organizacional, social e familiar. Por isso, do equilíbrio entre os príncipes e as princesas, únicos e não especiais, e dos submissos, que não são apenas mais um, surgirá uma geração emocionalmente inteligente para ser assertiva sem ser arrogante e humilde sem ser submissa. Finalmente, vamos conviver com pessoas que nem sempre falam o que pensam, mas não deixam de falar o que é importante.

Moacir Rauber

Blog: www.facetas.com.br

E-mail: [email protected]

Home: www.olhemaisumavez.com.br

Se tudo é transitório, tudo é circunstancial!

Imagem: https://motivacaoefoco.com.br/o-transitorio-e-o-duradouro/

Se tudo é transitório, tudo é circunstancial!

O rei havia comprado um diamante para fazer um anel e nele queria guardar uma mensagem especial que pudesse ajudá-lo em momentos de dificuldades. Pediu para os sábios do reino que lhe escrevessem uma mensagem pequena o suficiente que coubesse debaixo da pedra do anel e impactante o bastante para mudar sua atitude nas situações extremas. Os sábios pensaram, pesquisaram e nada conseguiram oferecer ao rei que o convencesse. O seu criado, um ancião que havia acompanhado seu pai, disse-lhe que tinha uma mensagem. Escreveu-a num bilhetinho, deu-a ao rei para colocá-la no anel, porém avisou que ele somente a deveria ler em momentos extremos. O rei aceitou. Um tempo depois, os adversários do rei o derrotaram. O rei estava sendo perseguido e chegou num beco sem saída. À sua frente, o precipício. Atrás dele, os inimigos. Lembrou-se do anel e o abriu. Encontrou o bilhetinho que dizia, “ISSO TAMBÉM PASSARÁ”. Pensou e lhe sobreveio uma serenidade inimaginável para o momento. Escutou com mais atenção e percebeu que os seus perseguidores não estavam mais em seu encalço. Com calma pode raciocinar, reorganizar os seus exércitos e reconquistou o seu reino. Ao voltar para o seu palácio foi recebido por uma multidão em festa. Estava alegre, exultante. O seu fiel criado se aproximou e disse, “É um bom momento para olhar o anel”. O rei lhe disse, “Agora sou vitorioso…”. O criado disse, “A mensagem não é somente para os momentos de desespero, é também para as vitórias”. O rei abriu o anel e leu, “ISSO TAMBÉM PASSARÁ”.

Qual é o momento que você vive? Lembre-se, ISSO TAMBÉM PASSARÁ. Tudo é circunstancial, seja no âmbito pessoal, social ou organizacional. A força da mensagem presente nas três palavras é impressionante, alertando-nos para uma das competências fundamentais para que se crie uma cultura organizacional colaborativa e cooperativa, além de se manter um bom clima: a HUMILDADE.  Para isso, é essencial que as organizações desenvolvam nas pessoas a consciência de que tudo é passageiro, a começar pelo topo da hierarquia. A humildade de reconhecer que o poder derivado de uma posição ou de um cargo é circunstancial faz a diferença. Para quem detém o poder traz a consciência da relatividade e da transitoriedade da posição, inclusive da vida. Para aqueles que estão abaixo na linha de poder, estimula a que as pessoas não se inibam e exibam as suas habilidades e competências sem receio. Estar num cargo ou numa função é circunstancial e dela demandam responsabilidades, porque se nela se está, sugere-se que você seja bom para nela estar. Reconhecer-se competente e transitório revela humildade. Dessa forma, alcançar uma posição de destaque na hierarquia ou a realização com sucesso de um projeto deve criar na pessoa a satisfação natural da conquista pelo esforço, sem que isso gere o orgulho soberbo da arrogância de se acreditar superior aos demais. Tendo em mente a clareza de que tudo é circunstancial, os líderes conquistam a confiança dos seus colaboradores pelo respeito, criam a cultura da colaboração e da cooperação num clima organizacional positivo e propositivo. Desencadeia-se a criatividade das pessoas que não precisam ter medo. Os momentos de dificuldades passarão, assim como os momentos de glória.

Enfim, a humildade de reconhecer que tudo é circunstancial vai criar uma cultura sustentável com um clima organizacional que vai gerar satisfação e estimular a inovação como processos naturais oriundos da modéstia presentes na competência sem vaidade. É uma ordem natural.

E isso também passará!

Moacir Rauber

Blog: www.facetas.com.br

E-mail: [email protected]

Home: www.olhemaisumavez.com.br

Fonte: Notícias de Malba Tahan

(https://www.malbatahan.com.br/isso-tambem-passara-palavras-muito-atuais/)