Skip to main content


Facetas!


Somos Únicos.
Somos Múltiplos.
By Moacir Rauber

Onde você está agindo?

A regata terminou. Um dos atletas que tinha condições de chegar em primeiro lugar chegou em último, o que o deixou visivelmente incomodado. Logo que todos os atletas saíram dos barcos, o rapaz que chegou em último lugar se aproximou daquele que chegou em primeiro. Esperava-se que ele o cumprimentasse pela vitória, porém o que se ouviu foi o seguinte:

Você não mereceu. Eu deveria ter chegado em primeiro. Não é justo. O meu se soltou… E continuou a esbravejar, justificando-se.

A situação entre os atletas foi constrangedora. O vencedor da regata ficou chateado com a forma como o seu colega de clube o tratou. Os presentes contornaram a situação até que os ânimos se acalmaram. O reclamão é um jovem que tem uma personalidade forte, entretanto, essa personalidade, por vezes, o leva a se comportar de maneira inconveniente. Eu o encontro no clube e muitas vezes nós conversamos. Comigo ele tem uma conversa fácil e sempre é agradável. Numa de nossas conversas eu o indaguei:

– O que aconteceu na última regata? É verdade o que comentaram comigo?

Ele ficou encabulado, antes de responder:

– Sei lá. Ele não merecia aquela medalha. Ela deveria ter sido minha.

– Mas o que aconteceu?

– Eu larguei bem, mas de repente o finca-pé do meu barco se soltou. Depois não consegui mais remar com força.

– É? Desculpe-me perguntar, mas o que o cara que ganhou a prova tem a ver com isso?

Ele deu de ombros. Fiz outra pergunta:

– Suponhamos que você tivesse ganhado a prova, o que você esperava que ele fizesse?

– Acho que gostaria que ele me desse os parabéns…

– E o que você fez com ele?

A partir desta pergunta o meu jovem amigo começou a entender que a reação dele fora sem razão, sem propósito e na direção errada. A reação fora sem razão porque sempre que alguém conquista algo dentro das regras estabelecidas ele tem os seus méritos. E o meu amigo sabia que quem venceu a prova teve os seus méritos, porque ele treinou para isso. A reação do meu amigo também fora sem propósito, porque ao agredir verbalmente o seu colega ele não contribuiu em nada. A sua agressão não serviu para melhorar o outro nem para melhorar a si mesmo. A reação do meu amigo, no final das contas, também fora na direção errada. Mais uma vez, como muitas pessoas, a crítica fora dirigida para aquilo que não estava no seu controle. O ganhador simplesmente cumpriu o papel a que se havia proposto, estando completamente fora do controle do meu amigo interferir naquilo que o ganhador fizera ou deixara de fazer. Ao entender que cada um somente pode atuar sobre aquilo que está ao seu alcance as pessoas deixarão de reagir para agir. A reação dará lugar para a ação que se revelará em atitudes de alto desempenho com bons propósitos.

Com o entendimento de atuar sobre o que está ao alcance de cada um, as pessoas passarão a olhar para dentro de si em primeiro lugar. Com isso poderão avaliar o que fizeram ou deixaram de fazer que influenciasse diretamente para que o resultado fosse diferente daquele que elas acreditavam ser possível. Essa avaliação permitirá que ele faça de novo, diferente e melhor. Por isso, o meu amigo deveria ter dado os parabéns para o vencedor que alcançou o seu objetivo fazendo a sua parte dentro das regras. Esta seria uma atitude com razão de ser. O meu amigo também deveria ter feito uma autocrítica para saber o que ele poderia ter feito para que tivesse alcançado os resultados que ele acreditava ser possível. Esta seria uma atitude com propósito de ser. Por fim, ele deveria ter olhado para dentro de si para avaliar o que está ao seu alcance aprender com os outros e com ele mesmo. Esta seria uma atitude na direção certa.

Olhar para dentro de si mesmo para começar a realizar as atividades ordinárias que estão ao alcance é que permitirá que sejamos extraordinários. Campeões por merecimento!

 

 Promessa sem ação é ou não é um roubo?

Na palestra exploram-se as situações de um Ladrão de si mesmo”.

Acompanhe a trajetória de um homem acusado publicamente de ser um ladrão. Na verdade ele descobre que  fora sistematicamente roubado e sabotado nas diferentes esferas da sua vida. O pior de tudo é que ele não sabe quem o acusa nem quem o rouba. E quando ele descobre não quer acreditar quem é o seu inimigo. Ele fica literalmente paralisado com a descoberta do verdadeiro ladrão. Afinal, quem é o ladrão?

As situações levam o participante a diferentes reflexões sobre como descobrir, conviver e enfrentar o ladrão, seu inimigo. Entra-se no mundo do desenvolvimento pessoal, ficando bastante claro que há uma diferença imensurável entre aquilo que as pessoas acreditam que podem fazer e aquilo que realmente fazem. Os diálogos e as estórias contadas promovem no leitor as reflexões que o ajudam a desenvolver o seu potencial, transformando-o em talento. Considere que potencial é tudo aquilo que alguém imagina que possa ser. Talento é explorar esse potencial, colocando-o a serviço de si e dos outros.

Por isso a pergunta: quem é o ladrão? As reflexões se aplicam àquilo que ocorre em âmbito pessoal e organizacional: (1) o que acontece numa relação quando as pessoas roubam? (2) Quais os resultados para uma equipe de trabalho quando há um ladrão? (3) Qual a influência de um ladrão numa organização? (4) Como prender o ladrão?

MANTENHA CONTATO:

Moacir Rauber

E-mail: [email protected]

Skype: mjrauber

Fone: 048 998578451

ABORDAGENS

(1) Palestras para público organizacional geral:

(2) Para o público de Secretariado Executivo:

Como usar as ferramentas de coaching no ambiente do Profissional de Secretariado?

A palestra oferece um novo olhar sobre o conhecimento usado no processo de coaching para ampliar as competências do profissional de Secretariado, apresentando técnicas de uso cotidiano.

AUTOR

Moacir Rauber acredita que tem “MUITAS RAZÕES PARA VIVER BEM!” porque “MELANCOLIA NÃO DÁ IBOPE”. Também considera que a “DISCIPLINA É A LIBERDADE” que lhe permite fazer escolhas conscientes, levando-o a viver de forma a “NÃO FAZER NADA QUE NÃO POSSA COMPARTILHAR COM OS PAIS OU QUE TENHA QUE OCULTAR DOS FILHOS”.

Moacir faz doutorado em Ciências Empresariais, é mestre em Gestão de Recursos Humanos (UMINHO-PT) e em Engenharia de Produção (UFSC). Fez MBA em Marketing, Bacharelado em Secretariado Executivo e Letras (Português/Espanhol), além de larga formação complementar. Também tem formação internacional em Coaching Executivo Organizacional reconhecida pela FIACE e pela ICC. Tem experiência profissional nas áreas Administrativa, Secretariado, Gestão de Recursos Humanos, Vendas e Planejamento Estratégico. Também foi professor universitário no Paraná e em Santa Catarina e atualmente trabalha como Coach, Palestrante e Escritor.

Foi remador da Seleção Brasileira entre os anos de 2004 e 2008 e ainda hoje segue praticando o remo como lazer. Também faz trabalhos voluntários em instituições que desenvolvem projetos de inclusão social.

Livros publicados:

(1) Olhe mais uma vez! Em cada situação novas oportunidades (2010)

(2) Perguntar não ofende… Uma abordagem de coaching para o profissional de Secretariado (2013)

(3) Superação, a marca do Ser Humano! (2013) (Disponível gratuitamente em pdf na página www.olhemaisumavez.com.br)

(4) Ladrão de si mesmo (2016)

Disponíveis em www.olhemaisumavez.com.br.

 

O mundo que se vê

Quando se olha para fora todos veem as mesmas coisas. As mesmas paisagens, as mesmas construções, as mesmas flores e os mesmos jardins. Porém, cada um os enxerga de maneira diferente.

Quando se olha para dentro também todos são iguais. Os mesmos órgãos, como pulmões, rins e coração. Porém, cada um sente diferente, traz outros desejos e mantém distintos valores.

Aquilo que você enxerga fora depende do que você sente, traz e mantém dentro.

O mundo que se vê está dentro de você!!!

Ainda é possível acreditar no Ser Humano?

Fiquei extremante feliz ao ler a reportagem escrita pela Isabela Swarowsky. Ela deu a sua interpretação das palavras que eu disse. Ela escutou as palavras segundo a sua visão de mundo e que a levou e a levará a produzir ações. Uma delas foi a iniciativa de escrever um texto sobre aquilo que ouviu descrevendo o que escutou. 

O que foi dito, foi dito para todos. Todos ouviram as mesmas palavras, mas certamente escutaram coisas diferentes. Eis aí a responsabilidade de quem fala, porque as palavras levam a ação. 

Nós somos palavra. Nós somos ação. Das ações surgem as palavras e as palavras podem levar à novas ações. É muito bom quando as palavras podem representar as ações. 

Mais uma vez obrigado Isabela. Você me faz acreditar cada vez mais no Ser Humano!!!