E você, vai fazer o que em 2013?

Nós já sabemos… 
Foi dada a largada para a temporada de festas, confraternizações e despedidas de 2012. São organizadas convenções e comemorações num clima de festividade, de carinho, de emoções e, às vezes, até de farra para se despedir de mais um ano. No mesmo clima renovam-se as promessas de que no próximo ano “eu serei mais comedido com as palavras…” ou “serei mais arrojado com as atividades…” ou “começarei um novo programa de formação…” ou “serei disciplinado na alimentação, nos exercícios e vou me preocupar com a qualidade de vida…” e por aí vai o rol de promessas para ano que vai chegar. Nada de errado com isso! Acredito que devamos comemorar e festejar os resultados ou simplesmente o privilégio de finalizar mais um ano. Entretanto, as promessas, muitas vezes, são feitas porque o próximo ano nos parece tão longe, tão distante… Por isso, muitas vezes, é necessário que se façam perguntas, como:
  • por que esperar para o próximo ano?
  • Por que não começar agora a fazer algo que possa até ser concluído nos dias, nas semanas, nos meses ou mesmo no ano seguinte?
  • O que a sua organização vai fazer para que a equipe encontre a energia necessária para cumprir as metas de mais um ano?

O nosso grupo respondeu a essas questões… 

Nós vamos remar no próximo ano, mas começamos a nos preparar agora. Sim, nós vamos cumprir um desafio a que nos propusemos de 220km a remo na Lagoa dos Patos entre os dias 02 e 12-01-13. Já tem local, data e hora marcada. Os treinamentos estão em andamento, assim como os preparativos da estrutura de apoio. Cumprir com o desafio será nossa fonte de energia para 2013… 


E por que “Remar é preciso! Viver é diversidade”?


Bem, porque nós acreditamos que a evolução da trajetória humana no planeta terra tem sido marcada por uma série constante de quebra de paradigmas, sendo um deles em que a capacidade humana estava vinculada ao desempenho físico, dependente direto da condição corporal. Por esse motivo, no decorrer da história algumas sociedades eliminavam as pessoas com deficiência física, pois eram um sobrepeso para os demais. Mais tarde, evoluiu-se para a implementação de políticas sociais que contemplassem a sua subsistência, embora ainda de forma segregada. Por fim, chegou-se na era em que as pessoas com deficiência conquistaram a condição de igualdade de tratamento e de oportunidades, fruto de um entendimento de que o ser humano transcende os aspectos físicos. Outro paradigma se referia a idade para desempenhar determinadas atividades. Para algumas muito jovem, para outras com muita idade. Hoje, a questão de idade passou a ser irrelevante. Mais um paradigma que ruiu refere-se as atividades que eram mais apropriadas para um gênero ou outro. “Isso é coisa de homem!” foi uma expressão comum durante muito tempo, embora hoje apenas seja a manifestação de um pensamento tacanho ou mera brincadeira.


Nem por isso o exercício e a melhoria constante do desempenho físico deixaram de ser importantes para o ser humano, seja ele pessoa com deficiência, andante, mulher ou com mais ou menos idade. Com esse entendimento, o Projeto Remar é Preciso! Viver é Diversidade! pretende cumprir com um desafio integrando pessoas com e sem deficiência, homens e mulheres, jovens e adultos, ao percorrer um trajeto de mais de 220km em barcos a remo na Lagoa dos Patos. A pluralidade do grupo ambiciona demonstrar que é justamente na diversidade que reside a força e o diferencial de Ser Humano. A precisão requerida no exercício da remada em harmonia com a aceitação da diversidade é fonte e estímulo de vida. Tudo isso em perfeita harmonia com a natureza.

Remar é preciso!

Viver é diversidade!
APOIO:
E assim foi formado um grupo diverso de homens e mulheres, jovens e adultos, pessoas com e sem deficiência física que já sabe o que vai fazer em 2013.


A EQUIPE:

  • Oguener José Tissot da Costa, Técnico de Remo, Acadêmico de Educação Física e de Administração, remador e ciclista urbano. Está hoje com 30 anos, pratica o remo desde os 12 anos, assumindo a a profissão de técnico há cinco anos. A dedicação ao remo é uma opção vocacional e de vida, uma vez que abdicou de uma carreira profissional em outra área. Iniciou como técnico no Clube Náutico Gaúcho, desenvolvendo e coordenando projetos sociais e sócio desportivos. Em 2008 já tinha formado uma equipe para as competições, conquistando resultados expressivos em âmbito estadual e nacional. Os resultados proporcionaram oportunidades de formação no esporte. Em 2010 foi convidado pela Confederação Brasileira de Remo – CBR para uma capacitação como Formador Técnico de Remo, com o intuito de multiplicar e difundir o esporte no Rio Grande do Sul. Em 2011 foi convidado pela CBR para capacitar-se como Classificador e Técnico de Remo Adaptável pela Federação Internacional de Remo – FISA, com  o intuito de implantar a modalidade no Rio Grande do Sul. Nesse meio tempo fundou a Academia de Remo Tissot, fazendo uma parceria com o Clube Centro Português 1 de Dezembro, onde desenvolve as suas atividades com dedicação exclusiva.

  • Antonio Luiz Pizarro Schuster, Técnico em Mecânica Industrial, formado em Pedagogia com Especialização em Ensino Técnico. Aposentou-se como professor, mas é o atual gerente de processos industriais na Freedom, uma fabricante de cadeira de rodas. Sempre esteve envolvido com diferentes esportes, entre eles é piloto de motocross e de trike (feito em casa). Também é ciclista urbano e de aventura, com pedaladas locais e regionais de até 500 km. Está hoje com 58 anos, tem três filhos e dois netos. É praticante de remo há mais de 20 anos e gosta de remar guigue, canoa e caiaque.
  • Wagner Augusto Rauber, estudante do Ensino Médio Regular e do Ensino Técnico Profissionalizante. Está hoje com 17 anos, vivendo a mais de 3000km da casa dos pais para aproveitar a oportunidade de estudar numa instituição reconhecida na área de Técnico em Mecânica. Pretende cursar na Graduação Engenharia Mecânica. Gosta de praticar esportes como futebol e voleibol desde a infância.  Há dois anos manteve contato com o remo, competindo numa etapa da Copa RS 2011, conquistando a medalha de ouro na categoria estreante.
  • Virgiane Lima Knorr, 29 anos, natural de Jaguarão – RS, é tem Bacharelado em Ecologia com ênfase em mastofauna.  Atualmente é estudante e trabalha como especialista em fauna na empresa Oykos – Projetos ambientais. Também atua em projetos de monitoramento ambiental em parceria com outras empresas.  Esportista desde nova costuma sempre estar envolvida com práticas de esportes, procura sempre atividades que mantenham a união do esporte e o contato com a natureza. Em sua infância praticou Karatê durante 9 anos, também praticava esportes como futebol e voleibol,  já foi praticante de yoga, remo e natação. Atualmente joga futsal, costuma pedalar para seu deslocamento urbano e também como lazer, e hoje tem como hobby, o caiaque.
  • Moacir Rauber, Consultor e Palestrante Organizacional, Mestre em Engenharia de Produção e em Gestão de Pessoas, Atleta de Remo Adaptável e de Basquete Sobre Rodas. Está hoje com 46 anos, sendo usuário de cadeira de rodas desde os 20 anos, vítima de um acidente automobilístico. Um ano e meio após o acidente voltou ao mercado de trabalho, exercendo diferentes papéis, desde a linha de produção até funções de gerência. Também foi professor universitário no Paraná e em Santa Catarina. Aos 35 anos voltou a manter contato com os esportes, que o levou a disputar competições regionais, nacionais e internacionais de basquete sobre rodas. Entretanto, foi o remo como esporte que lhe proporcionou as maiores conquistas. Em 2004 foi a primeira vez que um brasileiro participou de um Campeonato Mundial de Remo Adaptável, realizado na Espanha. Em 2006 participou do campeonato mundial de remo na Inglaterra. E em 2007 representou o Brasil no Campeonato Mundial da Alemanha, sendo o porta-bandeiras brasileiro no evento. Continua praticando o esporte por lazer e tem usado as experiências esportivas para traçar paralelos com a realidade organizacional, destacando competências como competitividade, resiliência, trabalho em equipe, oportunidades, motivação, superação e resultados.


  • Fernanda de Figueiredo Schwarz, enfermeira e professora, 26 anos, sempre esteve envolvida com esportes. No ensino fundamental era membro da equipe de handball da Escola Sinodal Alfredo Simon, onde conquistou títulos estaduais. Mais tarde, fora do ambiente escolar, conheceu o remo, onde dedicou vários anos de sua vida. Participou de diversos campeonatos, inclusiveinternacionais, e conquistou título de campeã estadual em 2009.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *