Skip to main content


Facetas!


Somos Únicos.
Somos Múltiplos.
By Moacir Rauber

Qual é o tamanho do seu forno?

A mulher se orgulhava de fazer o melhor pernil inteiro que alguém já provara. Tinha ela os seus segredos que aprendera com a sua mãe. Um deles era recortar as extremidades do pernil, deixando-o um pouco mais curto. Um dia o seu marido lhe disse que as pontas não deveriam ser cortadas, que com as extremidades ele seria ainda mais saboroso. Tiveram um impasse, porque ela havia aprendido assim e assim seguiria fazendo. Para tirar as dúvidas, ao visitar a mãe, indagaram o motivo por que ela cortava as extremidades do pernil. Ela lhes respondeu que aprendeu assim com a mãe dela. Os dois foram visitar a avó, já bem idosa, lhe fizeram o mesmo questionamento e obtiveram a seguinte resposta:

– Eu precisava cortar as extremidades do pernil para que ele entrasse no forno, que era muito pequeno.

Como está o seu forno? A reflexão foi adaptada do livro “La Corazón – el arte de poner en orden sin dar órdenes (Roxana Cabul & Raed El-Younsi) que nos leva a questionar os nossos padrões. Não se trata de descartar as heranças recebidas, porém de questionar segundo o nosso contexto cultural, tecnológico e evolutivo.

Defende-se que com a curiosidade e a capacidade de questionamentos é que se pode romper com padrões pré-estabelecidos que, muitas vezes, mantêm-nos presos em comportamentos contraproducentes.

Questionar para avaliar e avançar em direção a um mundo melhor. E muitos dos questionamentos que produzem melhorias passam por caminhos ainda desconhecidos.

O aspecto cultural tem sido afetado diretamente nas novas formas de relações humanas que partem de um pressuposto de respeito a individualidade. Questionar os padrões coletivos para respeitar o indivíduo é fundamental, assim como ter a percepção de que os interesses individuais não se sobreponham ao coletivo.

Como está o tamanho do seu forno cultural?

Na área tecnológica as mudanças são intensas e é quase certo que os fornos que atendiam as demandas de outrora estão hoje obsoletos. Quais são as mudanças tecnológicas que posso implementar para que o mundo seja melhor? Estou usando a tecnologia simplesmente pela tecnologia ou há um benefício na adoção de uma nova forma de se fazer as coisas? As crenças podem e devem ser questionadas para que as experiências passadas que foram negativas não se repitam. O que você está cortando em nome de costumes estabelecidos sem nexo nos dias de hoje? Desse modo, é importante que as mudanças culturais e tecnológicos passem por questionamentos para que não se corra o risco de “jogar fora o bebê juntamente com a água”. Isso quer dizer reconhecer o que há de bom em nossa escalada evolutiva e descartar aquilo que já não se aplica mais considerando o contexto atual. Ter o discernimento que nos permita decisões acertadas nos fará melhores num mundo melhor.

O capítulo do livro “La Corazón” termina com uma frase bastante significativa que diz:

“Apoiar-se nas certezas é importante, desde que elas contribuam para o nosso bem-estar. Ao mesmo tempo, se algo não funcionar, é natural que desejemos alterá-lo. Essa é a atitude que gostaríamos de cultivar” (tradução minha – Roxana Cabul & Raed El-Younsi).

Essa reflexão nos leva a que questionemos padrões de comportamentos que nos limitam e que geram desperdícios, seja nos relacionamentos ou nos processos organizacionais. Assim, volta-se a pergunta: como está o seu forno hoje? Pensar nos próprios modelos mentais com relação a realidade permite que nos questionemos para questionar: está o meu forno ajustado à realidade ou você está ajustando a realidade a ele? Está você repetindo comportamentos sem questioná-los?

Em tempos de Natal é um bom momento para refletirmos sobre o que estamos desperdiçando em nome de fornos obsoletos, porque se Deus nos deu o livre arbítrio deve ser para usá-lo…

 

Moacir Rauber

Blog: www.facetas.com.br

E-mail: [email protected]

Home: www.olhemaisumavez.com.br

A finitude é uma benção: a comunicação é uma ferramenta para (Re) Criar a Humanização!

A IMAGEM DE UMA EXPERIÊNCIA!

“Além do que é certo ou errado se estende um campo. Ali nos encontraremos (Rumí)” reflete a ideia de que o que fazemos por aqui um dia vai acabar. Particularmente entendo que ao ter essa consciência, abrem-se as oportunidades de desenvolver competências que nos permitam (Re) Criar a Humanização, tema central do ESARH 2020, e a comunicação é uma delas. O que vemos, o que sentimos, o que precisamos e o que pedimos? Como comunicamos e o que queremos comunicar? Como nos comunicamos e com quem nos comunicamos? São perguntas que nos permitem comunicar de uma forma mais humana, respeitando-nos e respeitando-os.

Na última semana participei de um programa chamado IIT – International Intensive Training promovido pela CNVC (Centro de Comunicação Não-Violenta) na Argentina que explora as ferramentas da proposta de Marshall Rosenberg sobre os princípios da Comunicação Não-Violenta. Foi uma experiência impressionante. O envolvimento das pessoas e a sua entrega na busca por um mundo melhor em que a partir da comunicação se comecem a diminuir os conflitos intrapessoais e interpessoais com reflexos em todos os níveis da sociedade. Quais são as suas dores? Quais são as suas celebrações? O mundo externo, notadamente, é reflexo daquilo que carregamos dentro de nós. Não há como ser diferente, entretanto, percebe-se uma grande dificuldade em reconhecer que o mundo é resultado das interações humanas e que está muito mais próximo de ser como cada um o vê do que algo homogêneo resultado daquilo que cada um acredita ver. Ahh, então tudo é diferente para todos? Não e Sim. Não, porque essa percepção não revoga as leis da física, da química e a exatidão da matemática. Uma tábua de madeira com dois metros continua sendo uma tábua de madeira de dois metros. Um fato reconhecido por todos continua sendo um fato. Por outro lado, sim, porque começam a ser criados mundos a partir das interpretações dos fatos e o que eles geram em cada um. São esses mundos que se inter-relacionam.

Portanto, ao observar um fato e o sentimento que esse fato gera em quem o vê, fica mais fácil identificar o que se precisa para então se comunicar com clareza por intermédio de um pedido. Aquela mesma tábua pode despertar nas diferentes pessoas diferentes reações. Para um pode ser ponte, para outro barreira. E são esses mundos das percepções e interpretações dos fatos que são fontes de conflitos e podem ser fontes de conexões. Entender as próprias dores para reconhecer as dores do outro. Assim, a comunicação pode reconectar cada um consigo mesmo, bem como permitir a conexão com o outro. A conexão entre esses mundos é que pode (Re) Criar a Humanização, resultando em indivíduos mais felizes e em organizações mais produtivas por meio de seres Humanos mais Humanos.

Foi essa experiência que vivi na Argentina. Pessoas se conectando com pessoas com respeito e auto respeito por meio de um processo humanizado de comunicação. Isso é parte do processo de (Re) Criar a Humanização em tempos da Era Digital, em que a percepção cria mundos individuais que, de uma forma ou de outra, se inter-relacionam. Esse é o nosso desafio como pessoas que tem diferentes papéis sociais, considerando-se que um dia tudo aquilo que se vê deixará de existir. Enfim, “além do que é certo ou errado se estende um campo. Ali nos encontraremos (Rumí).”

 

Moacir Rauber

Blog: www.facetas.com.br

E-mail: [email protected]

Home: www.olhemaisumavez.com.br

Tenho que fazer…

Tenho que fazer…

O que nos revelam as pessoas que sempre nos dizem que “têm que fazer isso ou aquilo”? Serão elas desorganizadas, incompetentes ou carentes?

No intervalo do evento fui tomar o cafezinho e escutei uma conversa paralela:

– Nem te falo, o dia de hoje ainda me mata. Ainda tenho que fazer um relatório hoje, depois tenho que atender dois clientes e no final do dia ainda tenho que buscar as crianças… e blá blá blá.

Registrei o diálogo. No início até me senti um pouco consternado e solidário pela dura rotina de trabalho daquela pessoa e que pode expressar a realidade de muitos ao redor do mundo. Em seguida comecei a pensar sobre o que levaria alguém a criar uma agenda com tantos compromissos que a poderia matar? Além disso, ao escutá-lo tive a impressão de que ele se orgulhava da sobrecarga de sua agenda, por isso me fiz duas perguntas: (1) manter uma agenda com mais compromissos do que é saudável cumprir poderia revelar falta de organização e a incompetência? E (2) relatar o excesso de compromissos com orgulho revelaria uma necessidade de atenção e de reconhecimento? Acredito que situações semelhantes possam trazer elementos que respondam as duas perguntas.

Para mim, chega a ser inquietante responder: (1) manter uma agenda com mais compromissos do que é saudável cumprir poderia revelar falta de organização e a incompetência? Do meu ponto de vista sim, porque tenho desconfianças com relação a alguém que tem dificuldades de gerir seu próprio dia, porque me parece que será difícil que ela exiba as demais competências relevantes para ser competente em outras áreas. Entenda-se organização como o processo de observar e entender determinados cenários para assumir responsabilidades que sejam factíveis. Com essa capacidade é que se cria uma agenda de responsabilidades e de compromissos compatíveis com as próprias competências, respeitando as limitações de tempo e espaço existentes na busca pelos resultados a que se propõe. Da mesma forma, é por meio da organização que se consegue identificar o que é importante aprender e o que é necessário desaprender para desenvolver as competências que o levem para onde se quer ir. Portanto, a capacidade de criar realidades imaginadas do ser humano permite que se simulem e antecipem situações, exercendo a organização um papel importante para que a realidade imaginada se aproxime da realidade concreta. Por isso, é essencial que alguém seja organizado para ser competente.

E a segunda questão é igualmente inquietante: (2) relatar os compromissos com orgulho revelaria uma necessidade de atenção e de reconhecimento? Lembro-me de um diretor que conheci há mais de 30 anos que dizia, “Se alguém me diz que está se matando de trabalhar acredito que a pessoa seja incompetente ou precisa de um abraço”. Particularmente, concordo com ele. Ninguém “tem que fazer” nada. Nós escolhemos fazer e poderíamos verbalizar isso de maneira diferente: ao invés de dizer “eu tenho que fazer…” pode-se dizer, “eu escolho fazer o relatório”, “eu quero atender os meus clientes” e “estou feliz em buscar os meus filhos”. Muda-se a perspectiva e se assumem as responsabilidades sobre a própria vida, inclusive a de transformar um dia pesado e desgastante num dia produtivo e energizante.

E você, tem muito o que fazer ou precisa de um abraço?

 

Moacir Rauber

Blog: www.facetas.com.br

E-mail: [email protected]

Home: www.olhemaisumavez.com.br

Onde está o abridor?

Dois cadeirantes num carro só é algo meio fora da caixa, porém as situações inusitadas são cada vez mais comuns. Por isso as organizações e os empreendedores devem estar preparados para elas.

Outro dia um amigo meu, igualmente cadeirante, e eu saímos no mesmo carro. É uma manobra e tanto para entrar e sair. Ele entrou primeiro e eu carreguei a cadeira dele no porta-malas. Depois eu entrei, porque naquele dia eu era o motorista. Quando eu fui carregar a minha cadeira, o meu amigo, que estava no banco do caroneiro, teve que se colocar todo para frente para que eu tivesse espaço para colocá-la no banco de trás. Em seguida fomos visitar uma praia, que tem acesso para veículos. Andamos de carro na areia dura e apreciamos lindas paisagens. Chegada a hora do almoço fomos procurar um restaurante. Manobrei para estacionar o carro bem próximo ao meio-fio para facilitar a saída do meu amigo para a cadeira de rodas. Em seguida, comecei a montar a minha cadeira. Neste momento alguns curiosos já se aproximaram para ver o que estava acontecendo. Mentalmente, devem ter criticado o meu amigo por ele não descer do carro para me ajudar. Depois, fui até a traseira do carro e retirei dali a cadeira do meu amigo. Era visível a cara de espanto dos curiosos. Podia-se ouvir a voz surda dos comentários murmurados entre os espectadores. Enquanto nos deslocávamos até o restaurante, conversa e muita curiosidade. Um deles se acercou e fez a pergunta que qualquer cadeirante já respondeu centenas de vezes: “Foi acidente?”, recebendo do meu amigo a concordância como resposta. Na sequência fez uma dedução “lógica” muito engraçada:

– Vocês se acidentaram juntos? Obtendo mais uma vez a concordância do meu amigo que riu.

Entramos no restaurante, nos servimos e nos dirigimos para uma mesa. A garçonete se aproximou, perguntando se queríamos beber algo. Dissemos que sim. Eu pedi um suco e o meu amigo queria uma cerveja. Pediu uma garrafa. Depois da escolha ficamos esperando. Percebemos que a garçonete se movimentava de um lado ao outro atrás do balcão. Saiu, passou por nós com uma garrafa de cerveja na mão. Foi até o gerente. Retornou com a garrafa ainda na mão e uma expressão de angústia no rosto. Ouvimos o barulho de gavetas e de talheres. Passaram-se mais alguns minutos até que a garçonete se aproximou da mesa dizendo:

– Desculpe-me, eu não encontro o abridor de garrafas. Não consigo abrir a cerveja…

Nós nos entreolhamos espantados. O meu amigo disse:

– Então traga-me um refrigerante. Em lata, por favor!

E a sua empresa mantém o abridor de garrafas sempre à mão? É uma ferramenta óbvia para a atividade a que um restaurante se propõe. A situação é emblemática porque não são poucas as organizações que não estão aptas a satisfazer os seus clientes na atividade central de seu negócio. As razões são as mais diversas, desde a falta de treinamento dos colaboradores até a falta de entendimento do propósito do negócio. Muitas delas, simplesmente, não conseguem resolver o problema dos clientes.

Pergunto: a sua empresa e a sua equipe estão aptas a atender as necessidades óbvias dos clientes? E quando o que os clientes querem não é tão óbvio assim? Você está preparado? É parte do trabalho de um bom gestor e de um empreendedor manter o Abridor Sempre à Mão!

 

Moacir Rauber

Blog: www.facetas.com.br

E-mail: [email protected]gmail.com

Home: www.olhemaisumavez.com.br

O joelho não existe. E uma organização é real?

As conversas de senso comum são fascinantes. Um amigo meu, dono da verdade (não é a ciência) naquele momento diz:

– Tem gente que fala que operou o joelho, mas o joelho nem existe.

– Como assim? Perguntam os presentes.

– Se você separar o fêmur, a tíbia, a fíbula e a rótula não sobra nada. Na verdade, sobram os músculos e os ligamentos. O joelho é o ponto de encontro das partes…

Ele tinha razão. O joelho é uma invenção humana para denominar o ponto de encontro dos elementos concretos, como os ossos, os músculos e os ligamentos. Ao estender o raciocínio para uma empresa, uma igreja ou um time de futebol, eles também não existem. Todas as organizações sociais são apenas o ponto de encontro dos elementos concretos, os indivíduos que as compõem.

Uma empresa é onde as pessoas se encontram para que produzam produtos ou serviços. A empresa em si não existe, porque a construção, os equipamentos e os produtos não são a empresa. Uma igreja é o local onde as pessoas vão para manifestar a sua fé em algo que acreditam. Da mesma forma, a igreja em si não existe, porque ela não é a construção, os altares ou os bancos. Um time de futebol é a reunião de onze sujeitos que se encontram para buscar um objetivo articulado entre eles. De igual modo, o time em si não existe, porque ele não é o campo, o estádio ou a bola. Desse modo, toda e qualquer organização social não existe, sendo apenas um ponto de articulação entre as pessoas que têm interesses comuns.

Por um lado, o joelho somente existe quando as partes do corpo humano que o compõem se encontram. De outro lado, as organizações sociais precisam de pessoas que se encontrem para que existam. Porém, há uma grande diferença. O joelho, para existir, é composto por partes que não tem vontade nem autonomia. Elas simplesmente estão ali e basta o cérebro ordenar para que o joelho cumpra a sua função de articulação. As organizações, para existirem, são compostas por pessoas que têm vontade e autonomia e que podem escolher onde querem estar. E nesse ponto está o desafio cada vez maior de se ter organizações longevas. Não basta ter um cérebro para dar ordens. É preciso ter um líder que consiga identificar a missão organizacional, estipular uma visão e expressar valores que possam aglutinar a sua volta pessoas que queiram caminhar na mesma direção. A organização é o ponto de encontro e serve de articulação para todos. É o papel do líder construir uma organização que permita que as partes queiram estar onde estão, considerando que cada uma delas é diferente das demais. Desse modo, o líder deverá desenvolver habilidades sociais e competências emocionais que estimulem a que as demais pessoas queiram estar naquela organização, o ponto de encontro para a articulação de objetivos comuns. Parece pouco? É um grande desafio ser o gestor de uma organização que fora da realidade imaginada pelo ser humano não existe, mas que produz dores e alegrias reais nas pessoas que as compõem. Ao dissecarmos cada uma dessas organizações, analisando-as parte a parte, ou pessoa a pessoa, é possível entender a importância do engajamento de cada indivíduo para que ela exista. Caberá ao líder ter isso em mente.

Desse modo, toda empresa, igreja ou equipe de futebol depende de um movimento espontâneo e deliberado para existir. Isso requer articulação. Cabe, portanto, ao líder entender os desejos e as necessidades individuais para que cada integrante da organização se mantenha ativo num movimento articulado, seguindo na mesma direção. As pessoas, com as suas vontades, devem querer estar naquele joelho, ops, naquela organização.

É o papel do líder fazer com que a organização exista.

 

Moacir Rauber

Blog: www.facetas.com.br

E-mail: [email protected]

Home: www.olhemaisumavez.com.br