Skip to main content


Facetas!


Somos Únicos.
Somos Múltiplos.
By Moacir Rauber

De vento em “POPA”?

Quais são os seus papéis sociais?

Existem os diferentes papéis que cada um desempenha na vida. Tem alguns que são para sempre, como ser pai, mãe ou filho. Tem outros que podem mudar, como ser marido, esposa ou a profissão. Normalmente, tem um momento na vida que tende a mudar o nosso papel social profissional: a aposentadoria.

O que fazer depois?

Muitas pessoas ficam com medo, inseguras e não sabem como enfrentar o fim de um papel social profissional que tomava uma grande parte do tempo da sua vida. Não há uma receita, mas também não há razão para ter medo ou ficar inseguro. Basta continuar embarcado no barco da vida com as mãos no leme como seu protagonista. Certamente que um vento pela Popa pode ajudar. E esse é o papel do Programa de Orientação Para a Aposentadoria – POPA coordenado pela Professora Cláudia Maria Messores da UDESC. Trata-se de um período de formação e de reflexão sobre as alternativas e possibilidades que cada um tem, que pode criar, desenvolver ou aprimorar para o novo papel social que começa com a aposentadoria. Alternativas e possibilidades? Sim, todas aquelas que cada um acreditar ser possível e agora com a segurança dos proventos da aposentadoria.

Fiquei feliz e emocionado de participar do momento de encerramento de duas turmas do programa: em Lages e em Florianópolis (Obrigado pelo convite Cláudia Maria Messores). Pessoas com coragem para se expor e compartilhar as inseguranças, as pretensões e os anseios individuais nessa nova jornada. Cada um no seu barco. Cada um sabendo que é importante navegar na companhia de outros barcos.

E o vento? Vindo pelo POPA vai levar cada um na direção certa!!!

INFORMAÇÕES: https://www.udesc.br/popa

Cidadão útil ou inútil?

Cidadão útil ou inútil?

Toda terceira quarta-feira do mês eu não ia ao trabalho, porque era o dia em que eu participava das atividades do grupo de idosos da comunidade. O local era lindo e situava-se à beira de um pacato arroio. Nele viam-se muitos idosos desfrutando do sol e das caminhadas. Muitos estavam sentados juntos às suas mesas jogando baralho, dominó ou outro jogo de tabuleiro qualquer. Outros circulavam de um lado a outro, serelepes e faceiros. Alguns andavam devagarinho e com todo cuidado. Entre eles, estavam os voluntários que ajudavam, serviam e organizavam. Enfim, era uma festa da experiência, da alegria e, porque não, da teimosia e das birras, porque nem só de maturidade se vive na terceira idade.

Tudo misturado naquele grupo de pessoas em que ter setenta anos significava estar entre os mais jovens. E lá estava eu com meus trinta anos participando do encontro. Gostava daquilo. Observava-os divertindo-se como crianças. Muitas risadas, gargalhadas e abraços. Aquele ambiente dava-me a impressão de que realmente não envelhecemos. Para cada idade há uma atividade.

Naquele dia não fui ao trabalho, mas ele veio até mim. Por ser um homem “útil” no meu escritório, marquei para que um cliente fosse até o recanto onde eu ajudava como voluntário. Logo que vi o homem de terno entrar no ambiente deu para perceber que ele estava deslocado. Não pela vestimenta, porque muitos idosos também faziam questão de estarem bem trajados, mas pela expressão do rosto. O executivo deveria ter uns quarenta anos e eu o conhecia há algum tempo. A sua postura sempre indicava força e vigor, parecendo que tudo estava ao alcance da sua vontade. Ali pareceu-me constrangido, inseguro até. Talvez viesse do fato de ele ter se deparado com o futuro de todos aqueles que nele chegam, a idade avançada. Assim que ele chegou até mim, cumprimentou-me. A nossa negociação seria rápida, mas antes de entrarmos nos assuntos profissionais o meu cliente disse:

– Não sei por que você vem sempre aqui. Olha, não é por falar, mas só de olhar esses velhotes fico meio triste. Imagina você a gente chegar nessa idade e não servir mais pra nada? Deve ser triste demais não ser útil…

Fiquei em silêncio. Não havia nada que eu pudesse falar que faria ele mudar a sua visão de mundo, esperava que o tempo se encarregasse de fazê-lo. Em seguida tratamos dos nossos negócios e ele foi embora.

Voltei a olhar para as pessoas e para o ambiente. Fiquei pensando comigo mesmo, “Ah, como eu gostaria de ter noventa anos. Poder ficar aqui, jogar meu baralhinho e mais nada…”. Alguém poderia me perguntar, “Como assim? Por que você gostaria de ter noventa anos?”. Sim, realmente gostaria. Talvez o motivo principal não seja o de desfrutar o prazer de não fazer nada, mas a certeza de ter chegado até os noventa anos. Quem me garante que eu chegarei até eles?

Escrevo este texto vinte anos depois da cena com o executivo. Na última semana conversei com alguém sobre o tema do envelhecimento e isso fez me lembrar daquele meu cliente que não gostaria de viver sem ser “útil”. Realmente não foi preciso, porque no auge da sua utilidade, cerca de dez anos depois daquele nosso encontro, ele morreu de infarto.

Muitas vezes reflito sobre a questão de sermos úteis ou não. Realmente gosto de fazer coisas, de trabalhar e de me sentir parte de algo, “útil”. Aí me pergunto: será isso o mais importante?

Talvez essa ideia utilitarista das pessoas deva ser repensada, porque não é só disso que a vida é feita. Podemos não ser “úteis” quando nascemos ou quando nos aproximamos da morte, mas somos cidadãos em ambas as situações. Creio que devemos lembrar que, muitas vezes, o inútil existe até para que o útil possa ser útil.

Portanto, inútil o inútil não é!

Moacir Rauber

Blog: www.facetas.com.br

E-mail: [email protected]

Home: www.olhemaisumavez.com.br