Arquivo da tag: escutar no silêncio

Bem-aventurados os que choram… quando eles escutam!

Veja o vídeo!!!

FELIZ NATAL!!!

Bem-aventurados os que choram…

quando eles escutam!

A bebezinha havia nascido surda (https://youtu.be/GY1lA7JqfgM). Com alguns meses de vida, fizeram-lhe uma cirurgia para que pudesse ouvir. Ao ligar o aparelho auditivo ela moveu os olhinhos de maneira mais viva. A mãe a segurava no colo, olhava-a nos olhos e começou a falar com ela de forma suave e carinhosa. A mãe dizia, “Eu te amo, filha, eu te amo”. A bebê se contorcia, movia os olhos, sorria e chorava. É um vídeo de um minuto que me tocou profundamente, porque mostra o choro de agradecimento ao descobrir um mundo até então inalcançável ao ouvir pela primeira vez. Sim, bem-aventurados os que choram, quando eles não só ouvem, mas escutam.

O último ano foi difícil. Muitos de nós choramos a perda de amigos e de pessoas próximas. Outros choraram a perda do trabalho, dos negócios, do casamento ou de relacionamentos. Entretanto, o fato de ter sido um ano difícil o faz importante.

Chora-se a perda de alguém, agradece-se o período de convívio.

Chora-se a perda do trabalho ou dos negócios, agradece-se o aprendizado.

Chora-se o fim de um relacionamento, agradece-se a possibilidade de estabelecer novos.

Desse modo, “bem-aventurados os que choram, porque serão consolados” é um convite para uma viagem interior em que podemos curar as nossas feridas ao nos escutar para depois escutarmos o mundo. O exemplo da bebê traz uma mensagem poderosa em diferentes perspectivas. Primeiro, ela sorriu com a conquista de algo que nem sabia que era possível no momento que ligaram o aparelho auditivo. Aqui, porém, trata-se da escuta para além da audição em que se observa e se entende a importância da própria atividade para si e para o outro. Escutar dessa maneira permite que se entenda a importância do trabalho do outro para ele e para você. Essa escuta abre possibilidades no trabalho e na vida. Depois a bebê chorou de agradecimento ao escutar o mundo que a colocou em contato com a própria essência. A voz da mãe, na verdade, ela já a conhecia desde o ventre. Ao obter a audição para um ambiente externo, a bebê se conectou com uma infinidade de oportunidades. Pode-se chorar de alegria com a perspectiva de aproveitá-las. Pode-se chorar de tristeza quando não desenvolvemos a consciência da interdependência com aquilo que nos rodeia. A escuta nos permite fazer escolhas.

  1. Quantas vezes, nós ficamos presos na nossa incapacidade de escutar a nós mesmos, deixando de aproveitar as possibilidades do mundo
  2. Quantas vezes nós somos incapazes de escutar o outro, fechando-nos em nós sem escutar o mundo?

Escutar, no sentido mais profundo da palavra, nos permite a tomada de consciência daquilo que podemos e não fazemos; daquilo que vemos e não ajudamos; daquilo que sentimos e não expressamos.

É importante chorar, reconhecer e se mover para obter o consolo dos bem-aventurados que fazem o que podem; que ajudam quando veem; e que expressam o que sentem.

Enfim, “Bem-aventurados os que choram, porque serão consolados!” se volta para dentro ao fazer silêncio para receber a voz que você vai seguir. A bebezinha escutou, sorriu e chorou com a segurança da voz que escutava. Cabe a cada um de nós tomar consciência daquilo que busca a partir do silêncio para exercer a escolha com a beleza da escuta. Choro de tristeza ou de alegria? Depende da voz que escolher escutar.

FELIZ NATAL, É TEMPO DE FAZER ESCOLHAS!!!

Moacir Rauber

Blog: www.facetas.com.br

E-mail: mjrauber@gmail.com

Home: www.olhemaisumavez.com.br

Bebe surda: https://youtu.be/GY1lA7JqfgM